Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quatro Reizinhos

Uma mãe obsessiva, um pai muito stressado e 4 filhotes. O mais velho hiperativo, o segundo com um feitio muito particular e dois bebes gemeos. Tanta cabeça debaixo do mesmo tecto não pode dar coisa boa.

A está hora da manhã e já estou danada.

Assim que me levantei fiquei logo com vontade de estrangular o marido. Ontem coloquei um papel em cima do móvel da entrada, esse papel era da escola do Leonardo e trazia a descrição da indumentária para a festa de final do ano, no próximo dia 11. Hoje assim que acordei reparei que o papel não estava onde o deixei. Já procurei por todo o lado e não encontro. Conhecendo o marido como conheço e as suas manias da arrumação ( coisa que herdou de mim mas elevou a um patamar muito superior) tenho a certeza absoluta que nem sequer olhou e colocou o papel no lixo. A minha primeira reacção foi procurar nesse sítio mas deparei-me com o caixote vazio.

Previsão de resultado: papel definitivamente perdido.

Ainda não confrontei o marido, estou à espera de ficar mais calma.

Como é possivel fazermos tanto lixo.....

Ultimamente tenho constatado que lá me casa produzimos uma quantidade anormal de lixo. Ainda ontem levei um saco de lixo cheio quando fui comprar pão, por volta das 19H. Hoje de manhã para meu grande espanto deparei-me com um saco já cheio de lixo. Claro que seis fraldas, restos do jantar e pequeno almoço,cascas de frutas e outros afins tinha que dar nisto. Para alem deste caixote existe um outro, utilizado para a reciclagem que também está sempre cheio. Sinto que passamos a vida a acartar, todos os dias são sacos de compras para cima e sacos de lixo para baixo. Seis pessoas  a comer, beber, etc é igual a muitíssimo lixo.

Andavam ai a falar de se começar a pagar uma taxa sobre o peso do lixo, pois eu espero que essa taxa esteja a anos luz de entrar em vigor. Caso contrário vamos a falência na certa.

Sim porque cá em casa é tudo em grande, são máquinas e máquinas de roupa para lavar, são máquinas de loiça diárias, banhos que nunca mais acabam, pilhas e pilhas de roupa para passar a ferro, contas de luz, gás e água que aumentam de mês para mês.  Só é pena que os salários também não sejam em grande. Enfim é o que temos. Mas se se lembrarem de avançar com aquilo do lixo fazemos uma fogueira na varanda para queimar a maior parte do lixo. Já estou a imaginar fogueiras por todo o lado.