Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quatro Reizinhos

Uma mãe obsessiva, um pai muito stressado e 4 filhotes. O mais velho hiperativo, o segundo com um feitio muito particular e dois bebes gemeos. Tanta cabeça debaixo do mesmo tecto não pode dar coisa boa.

Salvador

Seguiste o teu irmão e quinze minutos mais tarde estavas entre nós. Também não consegui pegar em ti e apenas tive direito a um breve olhar antes de ires ter com o teu irmão. Acho que já te contei que Santiago teve sem reagir até tu chegares. Os médicos temeram o pior, então tu chegaste e tudo mudou. Percebemos nesse momento que vocês precisam um do outro como os seres normais precisam do ar que respiram. Olho para vocês e vejo dois seres um ser só. Não sei como explicar mas apesar de serem dois, com diferentes personalidades e maneiras de ser, parecem ser um só.

Adoro esse laço que vos une e em partes tenho ciumes dessa ligação. Para os vossos irmãos sempre tive em primeiro lugar. Adorei que precisassem de mim para tudo. Adorei que olhassem para mim como se fosse a única coisa importante do mundo. Com vocês é diferente. Sim precisam de mim e adoram-me mas sinto que precisam do outro gémeo mais do que da mãe. Adoro esse laço e ao mesmo tempo tenho ciumes de não conseguir entrar nesse mundo só vosso.

Agora voltando a ti meu Salvador porque já me estava a desviar do tema. Chegas aos quatro anos com uma alegria imensa. O mundo pode estar a ruir mas para ti está sempre tudo bem. Estás sempre a brincar, a rir, a correr. A infância fica-te tão bem. Costumo brincar contigo dizendo que és o meu palhacinho porque para ti tudo é brincadeira. Quando estou a ralhar contigo começas nas palhaçadas e depressa tudo fica esquecido entre risos. És calmo e meigo e muitas são as vezes em que apazigua o teu irmão. Adoro quando andas de volta dele e lhe dizes para ter calma. Quando lhe dás beijos e abraços se o vês a chorar.  Adoro a forma como distribuis beijinhos pelos teus amigos quando são horas de sair da escola. Adoro a forma como disfarças quando fazes asneiras, do género eu não fiz nada.

Também sei que apesar de seres o mais calmo és também o mais sacana. Sei que desencaminhas o teu irmão para as situações mais arriscadas. Sim, vocês estão sempre a fazer metidos em sarilhos. Nunca vi crianças com uma imaginação tão fértil para sarilhos. Basta olhar para o teu sorriso de safado para perceber que és fresco. 

Adoro o teu ar de menino que não faz mal a uma mosca mas depois parte a loiça toda. Adoro a tua meiguice e tua curiosidade. Queres saber tudo sobre o mundo, principalmente sobre dinossauros. 

Espero que mantenhas essa curiosidade e esse espírito livre durante a tua vida. Vou adorar ver-te crescer. O meu coração derrete-se por ti.

Santiago

Faz hoje quatro anos que te vi pela primeira vez. Foi apenas um vislumbre antes de te levarem e nada me preparou para o impacto que teríamos na nossa vida. Tu e o teu irmão transformaram a nossa vida, deixamos de ser uma família normal e passamos a ser uma família fenomenal. Tudo por causa de vocês.

Quatro anos passaram e vejo em ti um menino. Um menino muito carinhoso e com um sorriso capaz de derreter qualquer coração. Sabes bem como conseguir levar a tua à avante através de mimos e olhares melosos. Tens umas expressões tão giras que eu tento registar mas curiosamente nunca ficam imortalizadas nas fotos. Não percebo bem porquê, mas o brilho dos teus olhos e o calor do teu sorriso não ficam na fotografia. Eu tento ao máximo guardar na minha memória todas estas tuas expressões mas sei que infelizmente vão acabar por cair no esquecimento daqui por uns anos. 

Sei que vais continuar a crescer e a crescer e sinto-me especial por poder acompanhar esse crescimento de perto. És e serás sempre um menino especial. Um menino doce e meigo. Um menino traquinas e com um sorriso lindo. Um menino de ideias fortes e definidas. Um menino que tanto contesta o não e que tudo faz para lhe dar a volta. Um menino um pouco mimado. Aos poucos começo a ver os traços da tua personalidade que se vão manter contigo, a teimosia é um deles mas tens a quem sair.

És atencioso com os teus irmãos e adoras brincar com  eles. Também és capaz de passar horas sozinho de volta de um livro ou de um puzzle. Por vezes tentas dominar as brincadeiras ou monopolizar a televisão. Felizmente os teus irmãos conseguem gerir as situações sem grandes chatices.

Adoro o teu sorriso. Adoro quando dizes que me amas e me enches de beijinhos e abraços. Tens um canto especial no meu coração,a cada dia que passa agradeço por ter sido abençoada com um filho como tu.

 

Falta uma semana

Falta uma semana para irmos de férias. Normalmente, por esta altura, costumo estar igual a um maratonista que quando vê a meta descobre que ainda tem energia para fazer um sprint final. Por norma fico eufórica e entusiasmada com o pensamento de férias. No entanto este ano ainda não senti este entusiasmo penso que em parte se deve ao facto do tempo estar como está. Como posso ansiar com uma semana de praia com os rapazes se não temos um dia de jeito? Por outro lado o facto de os rapazes estarem mais crescidos e aventureiros faz-me tremer pelos dias na praia.

Nos outros anos os mais pequenos quase nem saiam da areia pelo que só tínhamos que nos preocupar com os banhos de mar dos mais velhos. Pelo que vi na piscina este anos vai  ser diferente. São quatro a ir ao banho pelo que acho que não temos olhos suficientes para eles. Vamos levar reforços. Os meus pais vão connosco o que nos vai ajudar um pouco mas ainda assim penso que vamos voltar mais cansados do que vamos. Para a semana logo vemos como corre.

Missão arruinar os planos da mãe

Na semana passada o Leonardo teve um passeio. Nesse dia sai de casa um pouco antes das sete e fui comprar pão à padaria. O padeiro passa à nossa porta mas como não costumamos comer pão de manhã ainda não acertei com o horário a que passa. Não quis correr riscos de não o ouvir passar e optei por caminhar até à padaria. 

Soube-me pela morte aquele passeio matinal. O ar puro, o dia a amanhecer, o frenesim dos pássaros a acordar. Voltei a casa muito satisfeita, tive mais alegre e mais paciente com os miúdos. Comentei com o marido que ia começar a levantar-me mais cedo e caminhar um pouco todas as manhãs.  Já me imaginava a caminhar vinte ou trinta minutos todas as manhãs. A sentir a brisa mais fresca da manhã. A respirar aquele cheiro de orvalho. Que maravilha pensava eu e provavelmente pensam vocês também.

A verdade é que desde que pensei em fazer tal coisa o Santiago passou a acordar às 5:50 da manhã pelo que as caminhadas ficaram para qualquer dia. Juro que fazem tudo para me arruinar os planos, no bom sentido claro, mas ainda assim é impressionante este sentido de oportunidade.

Vamos falar sobre sexo?

- Mãe, eu preferia ver dois gatos a fazer do que dois cães.

- A fazer o quê?

- Sexo.

- E o que é sexo Leonardo?

-...não sei.

- Não sabes o que é sexo?

- Não.

- Então existe o sexo masculino e o feminino.

- Sim mas isso não é sexo.

- Então o que é o sexo?

- Não sei muito bem. Só sei que o Homer Simpson e a Marge costumam fazer. - responde quase num sussurro.

Chegou a altura de ter A conversa com o rapaz.

Largar tudo e recomeçar de novo

 

No inicio do ano ocorreram mudanças na empresa onde o meu marido trabalha. As chefias demitiram-se em massa e isso fez com que a empresa tivesse que se reajustar. Dois dias depois da bomba explodir o marido teve um reunião onde foi convidado a assumir a posição de chefia do departamento. Na altura não pensou duas vezes e aceitou prontamente. Eu confesso que não fiquei nada agradada com a nova posição. Não fiquei chateada pela progressão de carreira dele nem tão pouco tive inveja do que alcançou. Na verdade fiquei apreensiva porque achei que ele não sabia no que se estava a meter. Conheço bem o marido que tenho e sei que a solução dele quando algo corre mal é arregaçar as mangas e trabalhar. Antevi longas horas de trabalho, quer na empresa, quer em casa através do portátil que começou logo a vir para casa. Felizmente a vida resolveu enviar uma solução para os meus problemas.

O marido começou a dar formação da sua posição para poder passar a executar as novas funções e dias depois veio a surpresa. As chefias que tinham saído vieram convida-lo para embarcar no novo projecto que estão a desenvolver. O convite veio aliciado com um acréscimo de ordenado mas para mim o mais importante foi o facto de a proposta ser para uma coisa de menor dimensão. Aparentemente o interesse não é crescer desmesuradamente mas sim ter um serviço de qualidade. Do género pouco mas bom. Eu confesso que fiquei rendida só de pensar que ele poderia ter melhores condições de trabalho e não andar constantemente stressado como andava na altura. No entanto, embora seja uma decisão que vai mexer com a família, deixe que a decisão fosse dele. Quando me perguntava o que eu pensava limitei-me a enumerar os prós e contras de ambas as opções. Por fim ele escolheu aceitar a nova proposta. Quando se foi despedir fizeram-lhe uma contraproposta bastante apelativa e eu julguei que tinha ido tudo por água a baixo. Felizmente ele optou por virar costas a um ordenado melhor em prol de mais qualidade de vida. Eu confesso que fiquei muito orgulhosa porque para mim o mais importante é ter um marido em casa e um pai para os meus filhos. Os euros ao fim do mês são importantes mas só precisamos que cheguem para as contas.

Para a semana começa uma nova fase da nossa vida. Vamos  recomeçar tudo de novo e esperar pelo melhor.

Negociações

- Meninos são horas de acordar.

- Mãe, hoje é dia de escola? - pergunta o Santiago

- Sim.

- Não!

- Meu amor hoje tens de ir à escola.

- Só hoje?

- Não são cinco dias de escola.

- Um dia de escola e um dia em casa. Por favor mãe.

- Não pode ser amor.

- Por favor só um dia e depois um dia em casa. Vá lá, vá lá...

- Hoje vais à escola e amanhã conversamos outra vez.

Tão pequeno e já começa a negociar.

Esta fase é tão, mas tão gira!

Ontem quando fui buscar os pequenos à creche o Salvador estava com um saco de gelo no olho. Minutos antes tinha deixado cair uma peça de lego para o chão, quando a tentou apanhar calculou mal o coisa e bateu com o olho  no assento da cadeira. Tinha um pequeno corte e o olho ligeiramente inchado mas nada de preocupante. Entregamos o saco de gelo à educadora e abandonamos o edifício.

Entramos no carro e como estava um calor infernal abri os vidros.

- Mãe não abras o meu vidro.- gritou o Salvador - Se não o vento leva o gelo do meu olho.

Eu limitei a fechar o vidro enquanto me ria da ideia dele. Entretanto oiço:

- Salvador, vira a cara para o outro lado para o meu vento não levar o teu gelo.

E cada vez que o Salvador mexia a cabeça o outro gritava para que não o fizesse. Fui o caminho todo a rir pela preocupação demonstrada pelo irmão e pelo facto de não perceberem que ao tirar o saco de gelo o frio passaria por ele próprio.

Esta fase é mesmo deliciosa. Começam a ser crescidos mas ainda tão inocentes. 

Mãe queremos ser YouTubers

Ouvi da boca dos meus filhos o que nenhum pai quer ouvir. Acabaram-se os sonhos de querer ser médico, bombeiro, policia ou professor. Esta nova juventude agora quer mesmo é ser YouTubers. Tudo porque assistem a um grupo de miúdos que felizmente conseguem ganhar a vida a falar para uma câmara. A verdade é que nem precisam de falar nada de jeito, alguns limitam-se a fazer coisas idiotas mas esses é que tem graça. Esse e os que jogam o dia todo, colocado depois vídeos nos quais mostram as audácias alcançadas. Eu assisti, por engano, a dez minutos de uma coisa do género e não consegui perceber o gozo que aquilo dá. Sinceramente para mim foi o suficiente para proibir veementemente a visualização de qualquer YouTuber cá em casa. No entanto esta proibição não chegou a tempo de impedir os meus rapazes de acharem que podem ganhar a vida a jogar e falar para uma câmara. Neste momento já escolheram um nome para a dupla maravilha e aguardam ansiosamente o dia em que tenham luz verde para avançar. Eu cá vou esperando que com o passar do tempo e a falta de visualização de tais personagens este sonho se esfume no ar.

A sério????

- Quem deixou a luz da casa de banho acesa?

- Fui eu. Foi um acidente.

- Então faz favor de a ir apagar Salvador.

- Não consigo as minhas pernas estão tão cansadas.

 

- Mãe ainda tenho fome.

- Mas ainda tens comer no prato. Tens que comer tudo para não teres fome.

- Ai, ai. Dói o meu braço.

- Então tens que comer tudo para ficares com força e o teu braço deixar de doer.

- Não pode ser. Dói muito. Preciso de uma coisa para o meu braço ficar bom.

- O que precisas?

- A minha barriga precisa de um doce.