Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quatro Reizinhos

Uma mãe obsessiva, um pai muito stressado e 4 filhotes. O mais velho hiperativo, o segundo com um feitio muito particular e dois bebes gemeos. Tanta cabeça debaixo do mesmo tecto não pode dar coisa boa.

Negociações

- Meninos são horas de acordar.

- Mãe, hoje é dia de escola? - pergunta o Santiago

- Sim.

- Não!

- Meu amor hoje tens de ir à escola.

- Só hoje?

- Não são cinco dias de escola.

- Um dia de escola e um dia em casa. Por favor mãe.

- Não pode ser amor.

- Por favor só um dia e depois um dia em casa. Vá lá, vá lá...

- Hoje vais à escola e amanhã conversamos outra vez.

Tão pequeno e já começa a negociar.

Esta fase é tão, mas tão gira!

Ontem quando fui buscar os pequenos à creche o Salvador estava com um saco de gelo no olho. Minutos antes tinha deixado cair uma peça de lego para o chão, quando a tentou apanhar calculou mal o coisa e bateu com o olho  no assento da cadeira. Tinha um pequeno corte e o olho ligeiramente inchado mas nada de preocupante. Entregamos o saco de gelo à educadora e abandonamos o edifício.

Entramos no carro e como estava um calor infernal abri os vidros.

- Mãe não abras o meu vidro.- gritou o Salvador - Se não o vento leva o gelo do meu olho.

Eu limitei a fechar o vidro enquanto me ria da ideia dele. Entretanto oiço:

- Salvador, vira a cara para o outro lado para o meu vento não levar o teu gelo.

E cada vez que o Salvador mexia a cabeça o outro gritava para que não o fizesse. Fui o caminho todo a rir pela preocupação demonstrada pelo irmão e pelo facto de não perceberem que ao tirar o saco de gelo o frio passaria por ele próprio.

Esta fase é mesmo deliciosa. Começam a ser crescidos mas ainda tão inocentes. 

Mãe queremos ser YouTubers

Ouvi da boca dos meus filhos o que nenhum pai quer ouvir. Acabaram-se os sonhos de querer ser médico, bombeiro, policia ou professor. Esta nova juventude agora quer mesmo é ser YouTubers. Tudo porque assistem a um grupo de miúdos que felizmente conseguem ganhar a vida a falar para uma câmara. A verdade é que nem precisam de falar nada de jeito, alguns limitam-se a fazer coisas idiotas mas esses é que tem graça. Esse e os que jogam o dia todo, colocado depois vídeos nos quais mostram as audácias alcançadas. Eu assisti, por engano, a dez minutos de uma coisa do género e não consegui perceber o gozo que aquilo dá. Sinceramente para mim foi o suficiente para proibir veementemente a visualização de qualquer YouTuber cá em casa. No entanto esta proibição não chegou a tempo de impedir os meus rapazes de acharem que podem ganhar a vida a jogar e falar para uma câmara. Neste momento já escolheram um nome para a dupla maravilha e aguardam ansiosamente o dia em que tenham luz verde para avançar. Eu cá vou esperando que com o passar do tempo e a falta de visualização de tais personagens este sonho se esfume no ar.

A sério????

- Quem deixou a luz da casa de banho acesa?

- Fui eu. Foi um acidente.

- Então faz favor de a ir apagar Salvador.

- Não consigo as minhas pernas estão tão cansadas.

 

- Mãe ainda tenho fome.

- Mas ainda tens comer no prato. Tens que comer tudo para não teres fome.

- Ai, ai. Dói o meu braço.

- Então tens que comer tudo para ficares com força e o teu braço deixar de doer.

- Não pode ser. Dói muito. Preciso de uma coisa para o meu braço ficar bom.

- O que precisas?

- A minha barriga precisa de um doce.

 

Um verdadeiro adepto do Benfica

Um dos gémeos ia a sair da sala a alta velocidade. Estava escuro e não viu o outro gémeo que vinha a descer as escadas. Ouvimos um choque imenso e choro, muito choro. O Guilherme foi o primeiro a acudir mas depressa fugiu  assim que avistou sangue. O Salvador queixava-se da cabeça e o Santiago sangrava do nariz. Tentamos acalmar o choro até que o Santiago perguntou:

- O que é isso?

- É sangue que está a sair do teu nariz mas já vai parar.

- Eu gosto de sangue. É vermelho como o Benfica!

 

Ó Rodrigo!

O marido ficou um dia em casa dom os pequenos. Cheguei a casa e:

- Ó Rodrigo o que aconteceu aos meus morangueiros?

- Nada. Ninguém lhes mexeu.

- Mexeu sim que eles não estão do mesmo jeito. Estão todos amachucados deste lado. Parece que alguém se sentou aqui em cima ou que aconteceu outra coisa.

- Não! Ninguém lhe mexeu.  Espera, se calhar...

- O que foi?

- Acho que já sei porque motivo a escavadora estava toda suja.

- Como assim?

- Chegaram ao pé de mim com a escavadora cheia de terra e eu não percebi o que tinha acontecido. Agora já entendi que estiveram a lavrar a terra.

Subo as  escadas e:

- Ó Rodrigo o que aconteceu ao candeeiro?

- Qual candeeiro?

- O que está na parede do nosso quarto.

- Ninguém lhe mexeu.

- Então porque é que está quase a cair da parede?

- Como assim?

- Anda ver está arrancado da parede, até as buchas estão a sair.

- Aqueles sacanas são terríveis.

Acho melhor nunca mais deixar pai e filhos em casa caso contrário ainda deitam a casa a baixo.

 

 

 

Coisas à Salvador

- Mãe olha aqui!

Olho para o banco de trás do carro e vejo um pé espetado na minha direcção.

- Salvador, tu estás descalço!

- Sim tirei o sapato e a meia.

- Porquê?

- O meu pé tinha fiambre.

- ?????

 

- Mãe onde estão os porcos?

- Porcos? Que porcos?

- Aqui não há porcos. Temos galinhas, vacas, ovelhas, cavalos mas não porcos. - explica o Santiago

- Não eu quero ver os porcos. 

- Aqui não há porcos! - afirma o irmão

- Sim. Eu sinto nos meus olhos.

- Consegues sentir nos olhos?

- Os meus olhos cheiram os porcos.

 

- Mãe, podemos ir a casa da tia M.

- Queres ir a casa da tia?

- Sim, quero comer batatas de galinhas e fazer uma festa da maçã.

11 anos

O nosso rapaz fez 11 anos no sábado. Não vou chorar o facto de os anos continuarem a passar demasiado depressa. Esta é uma verdade para a qual não existe solução. 

Este ano deixamos o rapaz escolheu um dia um pouco diferente do habitual. Em vez de uma festa optou por algo mais intimo. Optamos por deixar os gémeos e dedicar o dia aos mais velhos. Passeamos, almoçamos e depois fomos jogar bowling. Os rapazes nunca tinham jogado e ficaram eufóricos. Eu esqueci o telemóvel em casa pelo que não consegui tirar fotos do momento. Vou ter que guardar na memória os sorrisos e a euforia dos rapazes.

Foi um óptimo dia. Um dia com sorrisos. Um dia com tempo em família. Um dia que provavelmente vai ficar nas nossas recordações.

Ironias da vida

Nos últimos dias fui às reuniões de pais dos rapazes. Na reunião do Leonardo quis saber como estava o Leonardo. A professora disse que estava tudo bem com o rapaz. Bom comportamento, bom aproveitamento, muito responsável. A única queixa é que o rapaz é um pouco crescido para a idade. Recusa-se a fazer certas brincadeiras com os colegas quando estas não lhe agradam. A professora diz que gostava que ele fosse mais criança e que tivesse aqueles comportamentos da idade.

Uns dias depois fui à reunião do Guilherme. Basicamente a professora queixa-se da imaturidade dele. Não é responsável, esquece material e recados. A professora gostava que ele tivesse a cabeça no lugar e que não passasse o dia a brincar.

Eu voltei para a casa a pensar na ironia da vida. Será que posso trocar os rapazes? Envio o Leonardo para o quinto ano e o Guilherme para o terceiro. Assim pode ser que a coisa resulte melhor.

Vamos ficar na história!

O Leonardo chegou da escola com o pai e eu apressei-me a perguntar pela visita de estudo que tinham feito nesse dia.

- Nem vais acreditar...

- Então?

- Uma das professoras disse que íamos ficar na história.

- A sério? Mas ficar na história porquê?

- Porque pela primeira vez na história da Vila a visita de estudo não se realizou.

- Não?

- Não o autocarro não apareceu. Estávamos todos prontos, esperamos, esperamos e nada. Depois a professora veio dizer que já não íamos.

Não é a melhor forma de se ficar na história.