Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quatro Reizinhos

Uma mãe obsessiva, um pai muito stressado e 4 filhotes. O mais velho hiperativo, o segundo com um feitio muito particular e dois bebes gemeos. Tanta cabeça debaixo do mesmo tecto não pode dar coisa boa.

Posso ir mais cedo para a escola

- Mãe hoje podes deixar-me mais cedo na escola?

- Mais cedo? Chegas todos os dias 15 minutos antes, ainda queres chegar mais cedo?

- Sim.

- Então ajudar-me a despachar.

A caminho da escola resolvi perguntar porquê. 

- Vais chegar quase meia hora antes.

- Ainda bem.

- Porque querias chegar mais cedo?

- Sabes que eu hoje tenho teste e nesses dias gosto de chegar ainda mais cedo.

Eu a pensar que queria brincar com os amigos afinal é tudo por causa dos testes. 

Quase aceitei a derrota

Estes últimos meses não foram muito fáceis. Eu sinto-me física e emocionalmente cansada mas felizmente começo a ver resultados por todo o esforço que fizemos.

Tudo começou com a entrada do novo ano lectivo. Durante os primeiros dias parecia estar tudo bem mas depressa percebemos que afinal não era bem assim. A directora do Guilherme ligou-me para me alertar que ele não estava a acompanhar e todos os professores estavam preocupados com ele. Não fazia alguns trabalhos, não copiava todos os exercícios e exemplos do quadro. Não demonstrava o mínimo interesse na escola e distraia-se com tudo. Resolvemos conversar com o rapaz afinal tudo aquilo era novidade e ele tinha que entrar no ritmo. A caderneta passou a vir cheia de recados porque não levava o material que lhe tinha sido indicado na ultima aula, porque não tinha feito os trabalhos, porque nem tentava resolver os exercícios na aula, porque passava a aula a olhar pela janela...

Cada vez que vinha um novo recado o marido referia que tínhamos que aceitar que estava a ser demais para ele e avançar para a medicação. Eu dizia vamos ver enquanto o meu coração dizia que não mas a meu cérebro concordava com o marido.

Entretanto a directora de turma ligou-me para me alertar para o facto de o rapaz passar os intervalos a jogar no telemóvel e até já ter tentado jogar nas aulas. Este telefonema foi a gota final e resolvemos que a brincadeira tinha acabado. Não lhe podíamos tirar o telemóvel porque já tinha acontecido ele apanhar o autocarro errado e termos que ir à procura dele ( este foi um susto que nem vale a pena falar). Na altura tinha um smartphone porque era o único que tínhamos em casa a funcionar, tinha sido meu e agora estava arrumado para alguma situação. Trocamos este por uma daquelas opções básicas que só dá para fazer chamadas. Para além disso passamos a ser mais exigentes e aplicar castigos.

Explicamos-lhe que existem coisas que são da responsabilidade dele. Eu não sei que material é que o professor pediu na aula e se ele não o leva ficar fica de castigo. Disponibilizamos-nos para o ajudar sempre que necessário mas no fundo o ultimo passo teria que ser dele.

Passei os últimos dois meses em cima dele. Nunca pensei que conseguisse ser tão dura. Por vezes até o marido que dizia que eu era uma coração mole me diz para ser mais branda mas ainda não consegui.

Estudamos muito, explicamos ainda mais. Ensinamos-lhe técnicas para estudar. Mostramos-lhe onde e como procurar informação para fazer os trabalhos de casa. Os primeiros testes vieram e foram um surpresa,não foram óptimos mas foram positivas. Agora veio a segunda ronda e foram ainda um pouco melhor que os primeiros. Finalmente consigo respirar de alivio e abrandar. O rapaz chega todo contente com as suas notas. Eu limito-me a dizer-lhe que quando se aplica tudo é mais fácil. Ele concorda comigo e diz que quando está com atenção nas aulas aprende e não tem que estudar tanto.

Espero que finalmente tenha encarreirado porque estou cansada de ter que ser tão rígida com ele. A disciplina é importante mas também acredito nas recompensas e acho que o rapaz merece umas recompensas.

- Mãe não te vás embora sem eu te dizer adeus!

- Mãe não te vás embora sem eu te dizer adeus!

- Está bem Leonardo.

Na pressa de sair de casa esqueci o casaco. Está um frio danado e ali estou eu à espera que o rapaz suba os cinquenta degraus até ao portão da escola e venha ao gradeamento acenar.

Espero, espero e o rapaz nunca mais chega. Olho para cima, cada vez mais gelada, a questionar-me o que o está a demorar tanto. Passado um pouco surge no meu campo de visão rodeado de dois ou três amigos. Vai tão entretido que nem se lembra da mãe que está à espera de um adeus.

Mãe sofre....

Tenho chegado tarde a casa

A culpa destes atrasos é da piscina de bolas que existe na escola. Todos os dias atrai os pequenos com o seu canto de sereia e depois é me impossível convence-los a sair. Tento conversar, pedir, ameaçar que me vou embora mas nada resulta. Tão pouco resulta tira-los à força porque enquanto tiro o segundo o primeiro volta a entrar. Já desisti limito-me a deixa-los brincar enquanto contemplo a felicidade deles.

PE_20170509_064400.png

PE_20170509_064422.png

PE_20170509_064435.png

Andam loucos para ir para a escola

Os gémeos andam doidos para ir para a escola. Tenho sempre que os deixar primeiro na creche porque, caso contrário ficam a chorar que querem ficar na escola. Na segunda regressei mais cedo a casa porque o Salvador estava doente e decidi ir buscar os outros três. Deixei o Salvador com o pai, fui buscar o Santiago e dirigi-me à porta da escola. Cheguei cedo e resolvi levar o Santiago até ao portão, em vez de o deixar sentado no carro, como é habitual. Chegou ao portão e quis entrar. Umas das auxiliares deu-lhe a mão e lá foi ele todo contente sem sequer olhar para trás. Foram esperar os irmãos à porta das salas e originou-se uma confusão. 

As crianças começaram a sair e a rodear o pequeno. Todos o queriam agarrar, todos queriam saber quem era, todos o chamavampara brincar. Parecia um boneco novo na mãos deles. Os mais velhos trataram de o rodear de peito cheio de orgulho enquanto diziam que era um irmão. O Leonardo dava-lhe a mão e tentava direcciona-lo para mim mas o rapaz não queria vir de maneira nenhuma. Estava tão contente rodeado daquelas crianças todas que só queria ficar a brincar com elas. O Guilherme teve que o pegar ao colo para conseguir tira-lo da escola mas ele saiu a chorar. Foi o caminho todo a choramingar que quer ir para a escola. Só espero que se entrar para o ano não chore porque não quer ficar.

Bazar na Escola

A escola dos mais velhos pediu a todos os pais e familiares que dessem bugigangas para um bazar de Natal. Agora dá-nos a magnifica oportunidade de adquirir algumas dessas coisas. Inicialmente achei a ideia um pouco descabida. Se o objectivo é angariar fundos para a escola porque não pedir dinheiro aos pais? Pensei que seria muito mais rápido pedir dinheiro do que proceder a toda a logística do bazar.Ore vejamos tem que catalogar as coisas, fazer rifas, despender de alguém para fazer as vendas. Achei que era uma autêntica perda de tempo.

Achei mas entretanto mudei de ideias, ou melhor as crianças fizeram-me mudar de ideias. Tenho visto um comportamento diferente da parte delas. De manhã entram felizes e apressadas com alguns trocos a chocalhar nos bolsos e correm a gasta-los no bazar. Abrem as riras com entusiasmamos, ansiosas por saber qual o prémio que lhes saiu. Por vezes o prémio não é o esperado mas a desilusão desaparece quase instantaneamente quando percebem o que ganharam.

Ao fim do dia saem da escola com um sorriso nos lábios e com as mochilas repletas de pequenos tesouros. Saem em pulgas para contar e mostrar aos pais os magníficos presentes que ganharam.

Cá em casa já temos uma pequena colecção de tralhas ganhas no bazar.

2016-11-30 11.32.28.jpg

 Agora estou em processo de convencer os rapazes a partilhar as tralhas com familiares. Assim a prendem a partilhar o que ganharam o que têm muito mais significado.

A mãe agradeçe a iniciativa

No inicio do mês o Guilherme chegou a casa muito entusiasmado.

- Mãe vamos ajudar a escola a ganhar dinheiro.

- Como filho?

- Temos que juntar acho que é 50kg de plástico. Se conseguirmos a escola vai ganhar dinheiro.

- A sério isso parece-me bem. Então vão guardar as embalagens dos lanches?

- Sim colocamos lá pacotes de leite e iogurtes vazios. Também podemos colocar garrafas, latas, plásticos das embalagens...

- Latas? Mas ninguém leva latas para a escola.

- Não mãe podemos levar de casa. Posso levar? É que temos que reunir muita coisa para chegar ao peso.

- Ó filho estás descansado se podes levar de casa isso já está ganho. Só o plástico cá de casa chega e sobra para atingir o peso.

 

Devo dizer que ficou tudo mais fácil. Em vez de parar quase todos os dias no ecoponto passei a só parar à porta da escola. Chama-se a isto uma parceria em que ambos os intervenientes saem a ganhar.

 

Gosta mesmo da escola

Ontem sai mais cedo do trabalho porque os pequenos estavam com febre. Fui busca-los à creche e de seguida apanhei o Guilherme na escola.

Cheguei antes da hora e ele já estava fora da sala. No portão a auxiliar disse-me:

- Ele hoje não tiveram musica à ultima hora. Eu esqueci-me de dizer que os podiam vir buscar mais cedo mas eles também não se lembraram.

- Não há problema. - respondi eu

- Então Guilherme não tiveste aula e não nos disseste nada?- perguntei a caminho do carro

- Esqueci-me.

- Esqueceste-te ou quiseste ficar na escola a brincar?

- Um pouco dos dois!- respondeu a rir-se

Eu fiquei feliz porque é sinal que ele gosta mesmo da escola e nem me importo de o deixar lá mais um pouco afinal a escola não é só para estudar.

Rotina depois do trabalho

Muitas são as pessoas que nos perguntam como é a nossa rotina de final do dia, afinal dar banho, fazer jantar, fazer trabalhos com quatro crianças é dose. Resolvi  então escrever um pouco sobre o assunto. À partida temos uma vantagem que é o facto de o marido os conseguir ir buscar à escola às 17:30. O marido vai buscar os gémeos por volta das 17:15, segue para a escola onde apanha os mais velhos e, por norma, às 17:45 já estão em casa. Se é dia de actividades ( segundas, quartas e sextas) os rapazes começam imediatamente a fazer os trabalhos. Entretanto eu chego por volta das 18:15, apresso-me a trocar de roupa e corremos para a piscina. Voltamos para casa às 20 horas jantamos o que o marido fez ou aqueceu. Nos dias de actividades tento deixar adiantado ou, até já feito, o jantar de véspera, assim o marido fica com a tarefa facilitada uma vez que também têm que tomar conta dos gémeos. Quando terminamos o jantar os rapazes acabam os trabalhos, se ainda não estão todos feitos e, ou, vêm um pouco de televisão até às 21:30 que é a hora de se deitarem.

Nos dias em que não há actividades chego a casa e costumo encontra-los a começar os trabalhos de casa. Eu vou fazendo o jantar enquanto os vou ajudando nas dúvidas. Costumam acabar os deveres ao mesmo tempo que o jantar fica pronto, ou então esperamos um pouco até eles acabarem. Nestes dias jantamos um pouco mais cedo o que significa que ficam com mais tempo para brincar ou ver bonecos.

O ano passado o Guilherme tinha musica para além da natação o que nos dificultava mais a vida. O pai deixava-o na musica depois da escola, eu ia busca-lo e íamos para a natação. Nesses dias jantava, fazia os trabalhos e quando acabava já eram horas de dormir. Por vezes tinha pena dele mas ele é que queria ter aquelas actividades.

Este ano ainda não sei se vai ou não voltar para a musica. Tão depressa diz que quer como não quer, também fala no futebol mas não sei se será possível conciliar os horários até porque acho que as crianças têm que ter tempo para ser crianças….

 

Adaptadores para lápis

 

 

 

Quando fui comprar os livros vi uns adaptadores para lápis. Como o Guilherme tem uma letra horrorosa optei por comprar estes adaptadores para experimentar. Custaram 0,80€ cada pelo que achei que valia a pena o investimento. No fundo são pequenas borrachas que se colocam na ponta do lápis. Estas borrachas tem a formas nas laterais para ensinar os mais novos a colocar os dedos na posição correcta. 

2016-09-13 12.16.01.jpg

2016-09-13 11.55.06.jpg

2016-09-13 11.54.50.jpg

 

Agora vamos ver se resulta.