Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quatro Reizinhos

Uma mãe obsessiva, um pai muito stressado e 4 filhotes. O mais velho hiperativo, o segundo com um feitio muito particular e dois bebes gemeos. Tanta cabeça debaixo do mesmo tecto não pode dar coisa boa.

Fica o alerta

Hoje olhei para o calendário e lembrei-me que há um ano passei este dia todo no hospital. Resolvi então contar o que me aconteceu como forma de alerta para outras mães.

Como sabem os gémeos nasceram dia onze de Julho. Dia catorze de Agosto fui fazer a revisão pós parto, queixei-me à doutora que ainda estava a sangrar muito. A médica desvalorizou a situação, observou-me e disse-me que o útero estava todo contraído por isso estava tudo bem. Contrapus, que das outras gravidezes quase que não sangrei e nesta, que já tinha sido há mais de um mês, nada de parar. Referi que já estava quase no fim da caixa da pílula (pílula normal porque não tive leite para amamentar) e que mesmo assim tinha hemorragias. A doutora reforçou que estava tudo bem mas que por via das duvidas me ia receitar uns comprimidos para ajudar a limpar caso tivesse algum resto. Disse-me ainda que era normal até três meses depois do parto ter hemorragias.

Eu vim para casa convicta do que ouvi, já tinha tido duas gravidezes mas esta era a primeira gemelar, as diferenças poderiam resultar dai. Tomei os comprimidos e continuei na mesma, sentia que algo não estava bem. Esperei mais um mês e pouco e tratei de marcar consulta na ginecologista. A ginecologista recusou atender-me e disse-me para ir à obstetrícia para que me fizessem um eco para ver o que se passava e eu assim fiz. Fui à obstetrícia e falei com a médica chefe, esta disse-me para ir à urgência que me faziam uma eco na hora. Na urgência verificaram que tinha "possíveis restos" de parto mas, como o eco grafo é do tempo da pré-história,  não conseguiram ter certezas. Voltei há obstetrícia e sai de lá com uma eco marcada para uma semana depois.

Passada a semana fiz a nova eco e confirmou-se que tinha restos de membrana da placenta. Marcaram-me uma cortagem para o dia seguinte. No dia seguinte cheguei ao hospital as 8H em jejum e sofri o procedimento. Depois tive que ficar em repouso, provavelmente da anestesia dormi um sono prolongado. Acordei há hora do lanche, comi e como aguentei o comer sem vomitar acabei por ter alta por volta das 18H.

Felizmente tudo correu da melhor forma mas muitas foram as pessoas que me perguntaram como é que eu não tive febre, como é que não desenvolvi uma infecção. Realmente não sei acho que posso dizer que tive sorte.

Fica um alerta para todas as mães e futuras mães. Se sentirem que algo de mal se passa convosco, acreditem que algo não está bem, procurem ajuda e sejam chatas se for preciso. Ninguém nos conhece melhor que nós próprias. Eu arrependi-me muito de não ter batido o pé na consulta pós-parto.