Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quatro Reizinhos

Uma mãe obsessiva, um pai muito stressado e 4 filhotes. O mais velho hiperativo, o segundo com um feitio muito particular e dois bebes gemeos. Tanta cabeça debaixo do mesmo tecto não pode dar coisa boa.

Depois da escola

Entraram em casa eufóricos. O Santiago correu para mim e disse:

- Mãe preciso dizer uma coisa mas tu não vais gostar gostar.

- Não vou gostar? Bem diz lá.

- Quero ir para o ATL!

- Para o ATL?

- Sim! Não quero voltar tão cedo para casa! Quero ficar a brincar com os meus amigos.

Tive que lhe explicar que o ATL é para meninos cujos pais não saem a horas de os ir buscar à escola. Que ele tinha sorte por sair cedo e ter tempo de fazer os trabalhos, brincar, ver televisão. Acho que não ficou muito convencido, vamos ver. 

 

Nem olharam para trás

Os gémeos hoje acordaram às sete a perguntar onde estava a roupa para vestir.

- Calma meninos a escola só começa às nove, temos muito tempo. Estão felizes?

- Mais ou menos. - respondeu o Salvador

- Eu não! Não quero ir à escola.

- Mas tem de ser.

- Não é justo o Guilherme e o Leonardo continuarem em casa e enquanto nós vamos para a escola.

- É só por uns dias.

Na hora da saída o Santiago continuava amuado e a dizer que não queria ir. Pensei que teria que lidar com uma birra à porta da escola. Voltei aos primeiros dias de aulas em que ele chorava agarrado à rede enquanto chamava por mim.

Preparei a minha mente para o pior, chamei a mim toda a paciência do mundo e seguimos para o estabelecimento. Quando chegámos correram a subir as escadas sem olhar para trás. Ainda esperei a ver se voltavam à rede para me desejar um bom dia mas nunca o fizeram.

Fiquei feliz por terem ficado bem❤️

Está tudo a festejar

Ontem chegou a notícia que muitas das nossas crianças vão regressar à escola segunda feira. 

Sei que grande a maioria dos pais está a festejar este feito mas eu estou um pouco apreensiva. Sei que é necessário, noto nos meus filhos a falta das aulas presencias mas não consigo deixar de questionar se é o caminho certo. Será a altura correcta ou deveriamos esperar mais umas semanas. Recomeçar a poucos dias das férias da Páscoa... 

É preciso procurar

Pode parecer mentira mas assim que entrei naquela casa fechada hà mais de 40 anos idealizei como iria ficar.

Quando expliquei os meus planos muitos foram os que me olharam como se fosse um sonho impossível. 

O primeiro obstáculo era a parede interior de xisto que dividia o edifício em duas mini casas diferentes. Na minha cabeça essa parede não existia e tinhamos uma tela em branco.

Depois de muita discussão e de me provarem por A mais B que a remoção daquele xisto todo iria ficar um balúrdio. Mão de obra e muitos contentores de entulho iriam acabar com o orçamento antes mesmo de começar. 

Acabei por me conformar e passei a pensar nas formas de usar a parede a nosso favor.

Contudo quando iniciamos a obra surgiu uma pessoa interessada em ficar com o xisto e fazer a remoção do mesmo por um valor minimo. Os planos originais voltaram e dissemos adeus à parede. 

Entretanto teve início a saga das escadas. Pedimos orçamento a uma empresa conceituada e recebemos um valor que não nos passava pela cabeça. Era muito mas muito superior ao que poderíamos pagar e só nos restou procurar alternativas. 

Felizmente encontramos alguém que estava disposto a concretizar o desenho que existia na nossa mente  e já temos o resultado final. 

IMG-20210228-WA0003.jpg

IMG-20210228-WA0004.jpg

Falta o acabamento mas estamos contentes com o resultado que custou cerca de um décimo do orçamento da outra empresa. 

Os últimos dias foram passados a negociar janelas e na próxima semana vamos começar a pensar a cozinha.

Aos poucos a coisa vai andando. Vemos paredes forradas, paredes que queremos manter em xisto, canalização, electricidade. 

IMG-20210226-WA0002.jpg

IMG-20210226-WA0006.jpg

IMG-20210226-WA0003.jpg

 

Não é justo

- Mãe o pai vai à Serra de Estrela? - perguntou o Santiago 

- Vai.

- Não é justo! Porque é que ele pode e nós não?!

- O pai vai trabalhar na nossa casa.

- Nós também podemos ajudar.

- Claro que sim mas agora tens aulas.

- Eu queria tanto ir!

- Eu também. - confima o Salvador

Também eu, pensei. Estamos a contar os dias... 

Paciência a esgotar

- Mãe podes jogar comigo às damas.

- Posso Santiago.

Cinco minutos depois. 

- Santiago estás a chorar porquê?

- Porque estou a perder😭.

- Filho tens que saber que por vezes ganhamos e noutras perdemos.

-😭.

Continuamos a jogar e o rapaz fez umas boas jogadas. 

- Mãe porque estás a fazer isto😭.

- Isto o quê?

- Estás a deixar-me ganhar😭!!!!

- Não estou não.

- Estás sim😭!! 

Resumindo chorou porque estava a perder e chorou porque ganhou. Preciso de paciência que a minha está a esgotar e a frustração a subir a pique. 

 

Uma nova semana a trabalhar no nosso sonho

O marido seguiu para mais uma semana de trabalho na nossa casinha da aldeia. Ele e os companheiros vão trabalhar o máximo de horas possíveis. Por norma, até 12 horas por dia para avançar com a obra. Estes dias são passados entre trabalho, comer e dormir. Os telefonemas são escassos e rápidos porque o cansaço aperta.

Eu seguro as pontas em casa. Nestes dias só posso contar comigo. Todos aqueles pequenos gestos que ele faz quando está em casa, que parecem banalidades, acabam por se revelar muito mais que isso. Quando ele ajuda um dos gémeos a ler porque a minha paciência para esse dia já esgotou. Quando aceita jogar uma partida de damas permitindo assim uns minutos de descanso para a minha cabeça. São tantas pequeninas coisas... Coisas que não vão acontecer nos próximos dias.

Até ele voltar vou tentar fazer o melhor que posso enquanto me preocupo pela distância que nos separa. Preocupo-me com as viagens, com as obras.

Por outro lado aguardo ansiosamente que ele regresse. Carregado de fotos e vídeos do actual. 

São semanas e semanas de sacrifício mas estamos certos que o resultado vai valer a pena. 

Só para que saibam...

Continuamos vivos. Bem sei que não tenho vindo aqui ao cantinho tanto como gostaria mas o tempo não chega para tudo. São pequenos almoços, aulas, trabalhos, almoços, mais aulas, mais trabalhos, lanches, banhos, jantares, roupas e casa.

Assim os dias estão a passar numa correria desenfreada e só dou pelo fim de semana porque o marido está em casa. 

Calculo que por aí seja igual. Por aqui agarro-me à ideia que pelo menos temos saúde que é a única coisa que faz falta.

 

Tédio

- Mãe estou aborrecido!

- Salvador tens tantos brinquedos, puzzles, jogos como podes estar aborrecido.

- Podes dizer o que posso fazer?

- Tu é que sabes. Vai desafiar os teus irmãos para brincarem.

Desapareceu e não deu sinais de vida durante bastante tempo. Mais tarde veio ter comigo e disse com ar triunfante :

- Mãe olha o que eu fiz!

IMG_20210217_084504.jpg

- Isso são os cintos dos roupões?

- O meu e o do Guilherme. Tive muito trabalho para fazer esta bola. É preciso enrolar, dar nó, enrolar, dar nó, muitas vezes.

- Está giro. - disse enquanto pensava a trabalheira que me iria dar a desmanchar

- Amanhã vou tentar apanhar o cinto do Santiago e do Leonardo para tornar a minha bola maior.

O que o tédio faz...