Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quatro Reizinhos

Uma mãe obsessiva, um pai muito stressado e 4 filhotes. O mais velho hiperativo, o segundo com um feitio muito particular e dois bebes gemeos. Tanta cabeça debaixo do mesmo tecto não pode dar coisa boa.

Não existem palavras para explicar...

IMG_20200202_192413.jpg

o turbilhão de emoções que senti quando peguei nele pela primeira vez.

Ele saiu de mim. Fui eu que o vi crescer, que o moldei, que o ajudei a ser hoje o que é.

Agora saiu de casa e pertence ao mundo. Deixei que o conseguir proteger. 

Senti um grande orgulho mas também muito receio. Fiquei felicíssima e aterrorizada, tudo ao mesmo tempo.

Será que vão gostar dele ou nem por isso. Serão as boas críticas verdadeiras ou apenas politicamente correctas. Sofrerá críticas que nos permitam crescer?

Só o tempo dirá... 

Entretanto se alguém quiser adquiri o livro falem comigo porque posso enviar exemplares com autógrafos. 

Desafio de escrita dos pássaros #2.1

É o primeiro texto deste novo desafio e eu não consegui cumprir o horário. Bem sei que a hora de publicação será as 15 horas mas apenas porque o sistema permite essa manipulação. Assim confesso que não consegui cumprir o prometido de publicar um texto com que tema? Nem calculam vocês!

"Acho que a coisa não vai correr bem"

Ora vejam lá o quanto é irónico que o texto seja um espelho do meu estado actual. 

Imenso fluxo no emprego, preparativos para o lançamento do meu livro, tentativas de manter o Blog actualizado, cumprir o desafio dos pássaros, um leva e trás de rapazes à escola, febres, tosses e vomitos nos últimos dias.

Claro que a coisa não vai correr bem. Antevejo tempos conturbados e só espero que passem depressa. 

Até lá vou tentar ser mais pontual e cumprir os prazos. Juro que começo já hoje a escrever o próximo e que vou tentar visitar os companheiros desta aventura. 

 

Leonardo no mundo da lua

- Leonardo não sei como é que tu consegues ter boas notas. Cá em casa estás sempre perdido no espaço. Falo para ti e tu nem dás conta. -  reclama o Guilherme

- Eu estou a pensar. - explicar o irmão

- Deves guardar a atenção toda para as aulas.

Mal sabe ele que nas aulas é a mesma coisa. A directora de turma diz que ele é um sonhador. A verdade é que embora esteja a viajar no seu mundo imaginário consegue, ao mesmo tempo, captar o que se na sala de aula. É um sortudo. 

Janeiro o mês interminável

É o primeiro mês do ano e também o que eu menos gosto. Por norma chega acompanhado de frio e chuva. Os seus dias são curtos e pouco convidativos. É um mês de gripes, febres e tosse. 

É um mês comprido com eu sei lá. Anda tudo teso devido às festas e o raio do Janeiro nunca mais acaba. Que venha o Fevereiro com os seus dias maiores e o Março com as suas tardes de verão.

Está quase, mesmo quase... 

Voltei a fazer o mesmo

Passo a vida a dizer que vou levar as coisas com mais calma. Vou descansar mais. Não tentar fazer tanta coisa ao mesmo tempo. 

Digo e repito para mim como que a ter certeza cumprir o compromisso. 

No entanto não sei estar parada. Decido fazer só aquilo. Depois mais aquilo. E quando dou por mim já não tenho tempo para nada.

Neste momento tenho imensas coisas para fazer no emprego. Ando a preparar o lançamento do livro. Tenho consultas e reuniões pelo meio.  Professores a faltar o que me obriga a alterar horários para ir buscar rapazes à escola.

Como se não fosse o suficiente o Salvador está a começar a adoecer. 

Só rezo para que seja daqueles viroses que passam num instante. 

A coragem não veio

Em Outubro deste ano os rapazes voltaram à natação. Os gémeos voltaram a ter aulas com a professora inicial que retornou de licença de maternidade. Digamos que a coisa não começou muito bem. A professora é exigente e aperta com eles. O Salvador só fim de uns dias já adorava as aulas. Com o Santiago a coisa foi totalmente diferente. Chorou todas as aulas durante mais de um mês. Tinha medo de mergulhar na parte mais funda da piscina. Batia o pé e não fazia metade dos exercícios.

Em casa fomos conversando com ele. Falei sobre coragem e desafios.

Os dias foram passando entre choro e conversas até que um dia deixou de chorar. Agora faz quase tudo o que a professora quer. No outro dia estava a todo animado, no caminho, a dizer que ia saltar para a parte funda da piscina dos crescidos. Eu estranhei mas mantive a mente aberta. Assim que viu a professora disse-lhe:

- Professora hoje não trouxe a minha coragem.

As pessoas em redor riram do discurso dele, eu senti o receio inerente .

Vamos continuar a trabalhar para que o medo vai ficando cada vez mais pequeno, e havemos de o superar. 

Temas difíceis

- Mãe porque é que os pais de alguns amigos não vivem juntos?

- Às vezes isso acontece. Os pais deixam de se amar e vai cada um para sua casa.

- Alguns amigos têm duas casas. Dois quartos diferentes, e muitos brinquedos em cada casa.

- Pois quando os pais se separam as crianças costumam ter um quarto em casa da mãe e outro em casa do pai. Uns dias dormem num e noutros dormem no outro.

- O nosso amigo A passa o sábado e o domingo com o pai... Mãe? 

- Sim filho. 

- Tu algum dia vais deixar de gostar do pai. 

- Não sei filho. Acho que não mas nunca se sabe. 

- Eu não quero ter dois quartos. É muito mais giro estarmos todos juntos. 

 

 

Problemas no trânsito

- Oh, tão fofos. - digo enquanto paro o carro.

- Mãe porque é que não andas. 

- Porque estão a atravessar a estrada. 

- Mas eu não vejo nunhuma pessoa. 

- Não é uma pessoa. 

-Então o que é. 

- Olhem para a janela do lado esquerdo. Que já saíram da estrada. - digo enquanto abro o vidro e avanço ligeiramente o carro. 

- MÃEEEEE são pintainhos! 

- NÃO MANO SÃO PATINHOS!!! 

- Pois são. A mãe pata é os seu patinhos. 

- Oh tão fofinhos. 

Fica os ali um pouco, com olhos enternecidos, até a pata branca desaparecer de vista com os seus patinhos amarelos. Assim é a vida no campo