Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quatro Reizinhos

Uma mãe obsessiva, um pai muito stressado e 4 filhotes. O mais velho hiperativo, o segundo com um feitio muito particular e dois bebes gemeos. Tanta cabeça debaixo do mesmo tecto não pode dar coisa boa.

Primeiro dia de férias

Yupi!!!

O carro não liga à primeira. O carro não liga à segunda. Nem à terceira, quarta, quinta... 

Carro está morto. É preciso falar com o mecânico e suplicar que arranje um bocado de tempo para o tentar ressuscitar. É preciso rezar para que a maleita não nos leve todos os euros disponíveis. O melhor é acender uma velinha também porque é mês de regresso às aulas e a coisa está negra. 

Digam lá que não estão cheios de inveja😩

 

Quem nunca?

Quem nunca saltou todas as linhas de um passeio? Quem nunca jogou ao jogo em que não se pode pisar as faixas pretas na passadeira? Ou fez jogos em que apenas podiam caminhar pelas pedras negras da calçada portuguesa?

É uma das memórias que tenho da minha infância. Estes jogos que era grátis e nós ocupavam o tempo.

Ultimamente tenho visto os gémeos a fazerem o mesmo e isso coloca-me um sorriso no rosto. Ainda ontem saltavam de lista em lista na passadeira. Quando chegaram ao fim um disse para o outro:

- Viste mano? Eu fiz parkou!

Santa inocência 😁

A mãe não pode resolver tudo

O fim de Agosto trouxe os meus filhos mais velhos de volta a casa. O fim de semana foi passado em grande euforia. Quatro rapazes a matar saudades. Tivemos beijos e abraços. Tivemos disputas por coisas triviais. Quinze dias sem se verem, sem terem que partilhar as coisas. Agora é necessário que cada um demonstre como cresceram nestes dias. É necessário que se afirmem e consigam o seu espaço pessoal. 

Eu tento não interferir, afinal é quase impossível ser imparcial se me meter nas disputas. Sei que, muitas vezes, um dos meus filhos tem razão e o outro está a ser injusto. No entanto, também sei que a vida é repleta de injustiças. Muitas vezes só podemos contar connosco próprios para resolver um conflito. É por este motivo que evito intervir nos conflitos. Espero que aprendam por si a resolver as contrariedades afinal a mãe não pode estar sempre por perto para salvar o dia. 

 

Vai falar com o pai

- Mãe dói-me está perna! - disse o Salvador apontando para a perna direita

- Isso é porque ela está cansada. Está na hora de ir dormir.

- Não mãe não é isso. Acho que tive muito tempo sentado em cima dela e agora tenho um osso fora do lugar. Mexe aqui.

- Estou a mexer.

- Não sentes esse osso mais perto da pele?

- Sim tens aqui um osso.

- Estás a ver. Antes não estava aí! Como é que vai voltar ao mesmo sítio.

- Filho sabes de uma coisa?

- Diz mãe.

- O teu pai é que percebe dessas coisas. Vai lá a baixo e fala com ele.

- Deixa estar acho que já vai passar.

😂

Pág. 2/2