Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quatro Reizinhos

Uma mãe obsessiva, um pai muito stressado e 4 filhotes. O mais velho hiperativo, o segundo com um feitio muito particular e dois bebes gemeos. Tanta cabeça debaixo do mesmo tecto não pode dar coisa boa.

Impossível manter uma cara séria

- Mãe que estás a fazer.

- Estou a tomar um comprimido.

- Eu também quero.

- Eu estou a tomar porque estou doente.

- Eu também estou doente. Preciso de um comprimido.

- Estás doente?

- Sim, eu comi muito e fiquei com fofusos.

- Com o quê?

- Fofusos. 

- Não percebo.

- Assim mãe. Hic, hic, hic.

- Soluços?

- Sim fofusos.

 

- Mãe tenho fome posso comer farinha mazinha.

- Podes comer o quê?

Aquilo que fizeste amanhã. Farinha mazinha.

- Farinha maisena!

- SIM!!!

 

- Mãe porque é que a avó comprou um telemóvel novo?

- Porque o telemóvel dela estava velho.

- Mas a avó também é velha!

Leonardo e o meu telemóvel novo

- Pai isso é o telemóvel novo da mãe?

- Sim filho.

- É impressão minha ou isso é um telemóvel de milionários?

- Porquê?

- É bem louco.

 

- Mãe, porque é que o teu telemóvel diz aqui face não reconhecida.

- Porque ele só desbloqueia com a minha face.

- A sério??!!!

- Sim eu mostro-te.

- Bem fixe!!!!

 

- Guilherme, sabes que o telemóvel da mãe para além de ser dos milionários também é futurista.

- Porquê?

- Ele reconhece a face do seu dono e só funciona com ela.

- Não é nada. Mãe é verdade?

- Sim é verdade.

- Eu disse-te que ele era futurista. Nunca vi nada assim!

 

 

Reacção exagerada a medicação

Ontem estava cheia de umas borbulhas miudinhas nos braços e pernas. O pior de tudo é que para além das borbulhas tinha uma comichão horrível e cheguei a fazer feridas de tanto me coçar. Sei que estas borbulhas são sinónimo de reacção alérgica a alguma coisa pelo que, ao fim do dia, resolvi tomar um anti-histamínico. O único medicamento que encontrei foi o zyrtec e digamos que não temos a melhor relação. Optei por tomar meio comprimido que é a toma que se deve dar a criança entre os seis e os doze anos. Pensei que o meu organismo aguentaria bem esta dosagem afinal se uma criança aguenta.

O resultado não foi bem o esperado. Meia hora depois da toma comecei a ficar cheia de sono. Tentei resistir ao máximo mas acabei por me resignar e fui para a cama antes das vinte e duas horas. Acordei ao amanhecer mas não fui capaz de sair da cama. Ouvi o despertador do marido mas não fui capaz de me mexer. Ouvi os rapazes a acordar. Ouvi o som do pequeno almoço. Sei que os pequenos me foram das beijos e abraços. Senti o marido a dar-me um beijo de despedida. Senti e ouvi tudo mas num plano diferente. Parecia que o meu cérebro e corpo estavam desligados, um queria funcionar mas o outro não estava para ai virado. Acabei por me conseguir levantar já depois das nove da manhã mas ainda muito grogue. Assim que sai do quarto o Guilherme correu para mim a perguntar se eu estava bem. Disse-me que nunca me tinha visto dormir tanto e que pensava que eu estava doente. Eu agradeci a preocupação deste meu menino de coração tão puro e corri a beber um café para acordar de vez. 

Aqui estou agora, já de café bebido, mas ainda não totalmente acordada. O meu cérebro e corpo estão a funcionar a ritmos diferentes pelo que levo o dobro do tempo a fazer qualquer tarefa. Sei que, provavelmente, vou passar o dia a dormitar até que esta droga me saia efectivamente do sistema. 

Gostava de saber porque motivo me dou tão mal com medicamentos. É que não é só com os anti-histamínicos, acontece-me o mesmo com remédios para as dores, com antibióticos, com anestesias. Mais alguém com uma reacção exagerada a medicamentos.

Deve pensar que me engana

- Mãe tive uma ideia e queria ver contigo se pode ser.

- Tiveste uma ideia Guilherme?

- Sim. Pensei que podíamos fazer tarefas a troco de dinheiro.

- Podemos organizar algo do género. Criamos tarefas a cumprir e podes ganhar ou perder conforme as executas ou não.

- Não era assim que eu queria. O que eu queria era fazer algumas coisas quando me apetecesse e receber dinheiro. Vou pegar num papel e fazer uma lista.

- Faz uma lista à vontade mas não pode ser como tu queres. Se te comprometes a fazer tarefas tens que as cumprir todos os dias e não quando te apetece.

- Podes pensar melhor. Eu vou já buscar papel e caneta.

- Eu vou pensar melhor e falar com o pai.

Receber dinheiro para fazer algo quando lhe apetecer, deve pensar que eu caio nessa. 

Pág. 3/3