Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quatro Reizinhos

Uma mãe obsessiva, um pai muito stressado e 4 filhotes. O mais velho hiperativo, o segundo com um feitio muito particular e dois bebes gemeos. Tanta cabeça debaixo do mesmo tecto não pode dar coisa boa.

O nosso blog faz três anos

Acabei de me aperceber que faz hoje, exactamente, três anos que comecei a escrever no blog.

Três anos de muitos textos sobre os mais variados temas. Três anos de muitas histórias dos meus pequenos. Três anos de muitas peripécias desta família numerosa.

A quem nós segue um grande obrigado estamostodos de parabéns. Eu cá prometo continuar a deixar o meu ponto de vista sobre a maternidade no seio de uma família de seis.  

Mãe já viste aquela nossa árvore?

- Mãe já viste a nossa árvore? - pergunta um dos mais velhos

- Já porquê?

- Está linda.

PE_20180316_063956.png

- Está mesmo.

- Que árvore é?

- É um pessegueiro. Sabes porque dá flores?

- Não.

- As flores transformar-se noutra coisa.

 - No quê?

- Nos frutos.

- Já me lembro de ter aprendido isso na escola. Quer dizer que este ano vamos ter muitos pêssegos porque são muitas flores.

Um verdadeiro blog Sapo

Lembram-se de vós ter contado sobre o sapo que vimos no nosso quintal à uns tempos atrás? Quando contava essa história ao nossos amigos e familiares ficava sempre com a impressão que ele pensavam que eu estava a inventar. 

Acontece que ontem estávamos a acabar de jantar quando o marido me disse:

- Está ali um sapo está ali a olhar para nós. 

Virei-me e lá estava ele a olhar, através do vidro, para a nossa cozinha. Corri a registar o momento para ter provas que tenho um sapo de estimação.

PE_20180315_065506.png

 Na verdade tenho duvidas se é o mesmo ou não. O que vimos da outra vez era mais pequeno mas como já passaram uns meses pode ter crescido. A alternativa é que afinal sejam mais do que um.

Depois de registado o momento chamei os pequenos para uma pequena aula de biologia e foi a loucura. Agradeci o facto de existir um vidro entre o animal e eles, caso contrário não sei o que teria acontecido. Estavam de tal forma entusiasmados que mais parecia uma noite de Natal. O sapo acabou por se cansa dos mirones, virou as costas e foi embora. Eles fizeram uma festa porque viram  como um sapo verdadeiro se movimentava.

Agora digam lá que isto não é vestir a camisola? Somos ou não somos um verdadeiro blog Sapo?

Os livros preferidos dos gémeos

Os gémeos receberam uns livros quando fizeram três anos. Na altura não se interessaram muito por eles mas entretanto tomaram-lhes o gosto. 

Descobriramque as peças saem do livro e podem montar animais. Passam horas a montar os bichos, brincam com eles e depois colocam-nos no sitio. Alguns já nem encaixam bem de tanto uso. É um conceito interessante para estas idades.

IMG_20180313_081108.jpg

IMG_20180313_081119.jpg

IMG_20180311_202724.jpg

IMG_20180311_202756.jpg

 

São todos uns santos que nunca fazem nada

Fui buscar os pequenos à escola. No caminho para casa o Santiago disse-me:

- Mãe hoje fiquei de castigo.

- Foi filho, o que fizeste?

- Nada!

- Santiago tiveste de te portar mal para ficares de castigo. Conta à mãe o que fizeste.

- Nada. Não fiz nada.

- A sério filho? És um anjo que se porta sempre bem e elas colocaram-te de castigo. Amanhã a mãe fala com a Margarida para saber o que aconteceu.

- Está bem! Eu fiz assim ao amigo - disse enquanto mexia na cara

- Tu bateste na cara do teu amigo?

- Não tapei a boca dele porque ele estava a falar muito. Eu não queria que ele falasse.

E pronto tenho um ditador em cada que até quer controlar o que os outros falam...

É o que dá só ter rapazes.

Dissemos aos rapazes que eram horas de ir para a cama. Vieram despedir-se e subiram. Ouvi as gargalhadas dos quatros na casa de banho enquanto lavavam os dentes e se preparavam para dormir. Foram para o quarto e deitaram-se. Preparei-me para passar a próxima meia hora a ouvir os seus sussurros. No escuro contam histórias e piadas e depois riem-se que nem perdidos mas desta vez não foi bem isso que aconteceu.

- Pum!

- O que foi isto? - perguntei ao marido

- Deviam ter algum brinquedo em cima da cama e caiu para o chão.

- Pum!

- Outra vez?

- Pum!

- Vou lá a cima ver o que se passa.

- Pum!

Abro a porta do quarto, vejo a luz acesa e um monte de peluches caídos no chão. Os rapazes riem-se que nem perdidos.

- Mas o que é que se passa aqui?

- Ó mãe ninguém se queria levantar para apagar a luz por isso estávamos a atirar peluches para ver se conseguíamos acertar nos interruptores.

 Acho que andam a ver muitos Angry Brids...

A diferença de saber o que se faz

No sabado passado a minha querida máquina da roupa resolveu ter uma epifania e deixar de torcer. Passamos a manhã toda de volta dela. Tiramos roupa e tentamos que centrifugasse. Como nada aconteceu retiramos a roupa toda e tentamos ver se funcionava vazia. De seguida verificamos o filtro e o esgoto. Desligamos a electricidade na esperança que reiniciasse mas nada resultou. Depois de horas de volta dela acabamos por nos dar por vencidos e fomos com uma tonelada de roupa para casa da minha mãe. Felizmente ao chegar a madrinha dos gémeos correu a ajudar, a roupa foi dividida em três máquinas e depressa tinhamos a situação um pouco normalizada.

Voltamos a casa e aguardamos que nos contactassem da assitencia. Os dias passaram e a roupa foi acomulando. Se numa semana normal sujamos uma tonelada de roupa, numa semana com chuva esse numero duplica e com os pequenos doentes a situação ficou ainda pior.

Passei uma semana angustiante a pensar como iria lavar aquele amontoado de roupa se a assistencia nunca mais dava sinal de vida. Finalmente informaram que viriam na sexta mas eu não fiquei muito contente. Pensei que viriam ver o problema e ainda teriamos que aguardar pelas peças. 

Finalmente o tecnico chegou, ligou a máquina e assim que ouviu o barulho disse-me que sabia o problema. Tirou o filtro e colocou uma chave de fendas pelo buraco. Bastou rodar algo lá no fundo e a dita voltou a funcionar. Pensar que eu e o marido quase desmanchamos a máquina e o homem em dois minutos pois a coisa a funcionar. 

Claro que estou feliz da vida e acho que a máquina ainda não parou um pouco. É bem feito para ela para não me pregar estas partidas.