Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quatro Reizinhos

Uma mãe obsessiva, um pai muito stressado e 4 filhotes. O mais velho hiperativo, o segundo com um feitio muito particular e dois bebes gemeos. Tanta cabeça debaixo do mesmo tecto não pode dar coisa boa.

Esta cabeça....

Quando voltamos de férias chegamos a casa já era noite. Tratamos de arrumar tudo porque sou incapaz de dormir sabendo que tenho tudo desarrumado. Depois de tudo arrumado fui à casa de banho da suite e reparei que só restavam três míseras folhas de papel higiénico. Abri o armário e vi que não tinha nenhum rolo novo. Dirigi-me à segunda casa de banho e percebi que também não existia papel naquele armário. Olhei para o rolo que estava a uso naquela divisão e vi que estava mesmo a chegar ao fim. 

Posso dizer que fiquei genuinamente preocupada porque aquela hora não existia sitio onde pudesse ir às compras. Resolvi não stressar, pedi para o papel durar até à manhã seguinte e dormi sobre o assunto. No dia seguinte levantei-me cedo e fui para a porta do supermercado. Cheguei e ainda nem estava aberto, limitei-me a ficar à porta à espera que abrisse, igualzinha aos senhores reformados que todos os dias lá fazem fila para entrar.

O pior de tudo é que nesse dia à noite passei uma situação similar mas com as fraldas. Usei as ultimas duas fraldas à noite e rezei para que aguentassem até à manhã seguinte.

Já não sei o que ei-de fazer a esta cabeça que já passou o ponto de alho chocho.

5 formas de documentar a sua gravidez

foto1_destaque.jpgFoto Pesquisa Google

 

Quando estamos grávidas somos frequentemente acarinhadas com comentários lisonjeadores das pessoas que nos dizem que estamos lindas e luminosas, mesmo quando nos sentimos miseráveis com o cansaço extremo, sono arrasador e os enjoos que nunca mais acabam no início da gravidez ou umas verdadeiras baleias que mal conseguem dormir de noite, já mais para o final. Mas a verdade é que a gravidez é um dos momentos mais bonitos e importantes na vida de uma mulher, aquela altura em que temos um ser a crescer dentro de nós e que, num espaço de alguns meses, vai estar nos nossos braços para amarmos incondicionalmente. Por isso, e mesmo que nem sempre nos sintamos essa maravilha que todos nos querem fazer querer acreditar, devíamos todas registar estes nove meses, pois vale bem a pena!

 

Podemos fazê-lo em casa, pedindo ao marido para fotografar ou tirar selfies em frente ao espelho, mas nada como arrasar em sessões fotográficas profissionais, contratando um fotógrafo de grávidas para um registo fabuloso do nosso estado de graça. O fotógrafo pode ajudar a ter ideias e optar por ângulos que jamais lhe passariam pela cabeça fazer e que fazem toda a diferença num trabalho genial.

 

Aqui ficam 5 sugestões de formas de documentar a gravidez através da fotografia. O importante é soltar a imaginação e abusar da criatividade!

 

  1. Documentário

E que tal fazer uma espécie de documentário de tudo, desde o dia em que descobre que está grávida, o momento em que conta ao marido e o percurso das várias fases da gravidez até trazerem o vosso filho para casa? Claro que o problema desta hipótese é a falta de tempo que temos com a correria do dia-a-dia, especialmente se tivermos mais filhos. Mas é tudo uma questão de avaliar a sua disponibilidade e falar com o profissional para elaborarem um plano conjunto que dê para contar a história da sua gravidez em imagens.

foto2.jpg

Foto pesquisa Google

 

  1. O antes e o depois

Experimente fazer uma sessão de fotografias enquanto está grávida e depois a mesma sessão já com o seu bebé ao colo. Recrie exactamente as mesas posições e use as mesmas roupas. Vai ficar com um álbum fantástico que retrata a sua alegria durante a gravidez e após o nascimento do bebé

foto3.jpgFotos Pesquisa Google

 

  1. Inclua os irmãos no registo

Se já tiver mais filhos, deixe-os participar nas sessões. Permita que ele(s) ou ela(s) escolham o tipo de foto que querem tirar e façam registos mensais, mostrando o desenvolvimento da gravidez até ao final. ao mesmo tempo também regista o crescimento dos seus outros filhos!

foto4.jpgFotos Pesquisa Google

 

  1. Crie situações divertidas

Se é uma pessoa com humor, porque não fazer uma sessão fotográfica divertida? Em vez de fotografias que apelem mais ao lado emotivo, porque não brincar? Eis um exemplo muito engraçado:

foto5.jpgFotos Pesquisa Google

 

  1. Faça um vídeo

Se prefere um registo mais dinâmico e com movimento, para além das fotografias ou em sua substituição pode fazer um vídeo. Pode fazer uma montagem com as várias fazes da gravidez até ao bebé nascer, um documentário, incluir os irmãos, etc. 

 Este post resulta de uma parceria com a Zaask. Espero que tenham gostado.

Conhecem a expressão: " Não morre da doença, morre da cura"?

Já vos contei e mostrei o que acontece ao meu Guilherme quando é picado por melgas. Faz uma reacção alérgica enorme, a área em redor da picada fica vermelha da infecção e acaba por se formar um caroço enorme.

Da ultima vez que foi picado acabei por ter que ir à urgência com ele. Quando fui aviar a medicação que o médico receitou comprei-lhe uma pulseira repelente própria para crianças. A pulseira foi-me fortemente recomendada e eu achei que o meu problema estaria resolvido. É verdade que desde que dorme com a pulseira nunca mais foi mordido. Boas noticias não? Bem a verdade é que as noticias não são assim tão boas porque agora desenvolveu alergia à pulseira. Basta dormir com ela e acorda com um eczema enorme mesmo no formato dela.

Porque é que tudo é tão difícil. Cada vez que penso que ultrapassei um obstáculo acabo por perceber que, afinal, meti-me por um atalho e este não tem saída.

O que raio é que vou fazer ao rapaz para não ser mordido? Ideias, sugestões, mezinhas. Aceito tudo

 

Uma batalha constante

Sexta-feira, oito de Julho, o Leonardo cismou que não queria ir à colónia de férias. Eu tentei convence-lo durante todo o caminho. Chegamos à porta da sala e ele recusa-se a entrar. Os monitores chamam por ele e ele ignora-os. Um dos monitores acaba por vir tentar ajudar-me a dar-lhe a volta:

- Anda Leonardo que hoje é dia de festa. Não podes faltar no ultimo dia porque é o melhor de todos.

- Não quero ir. Mãe quero ir para o teu trabalho contigo.

- Vais aborrecer-te. Vou ter que te colocar a fazer fichas o dia inteiro e o almoço vai ser sopa. - digo a tentar safar-me de o levar comigo.

- Não me importa eu quero ir contigo.

Chega a hora de se dirigirem para os autocarros e o Leonardo continua a cismar que não ia. Saíram todos da sala, os monitores levam chapéus diferentes e iam à frente a apitar cornetas. O clima era de euforia mas mesmo assim ele não queria ir. Saímos da escola e vamos ver os miúdos a entrar nos autocarros. Estava quase na hora de arrancar e eu, no desespero, tento outra opção.

- Leonardo se fores eu compro-te uma prenda. Tu escolhes à vontade e eu compro.

- Compras-me o Lego do minecraft?

- Compro! - grito enquanto corro com ele para o autocarro

Quando os vi partir penso melhor na opção que fiz. Nunca concordei em comprar os miúdos com bens materiais mas na altura não vi outra solução. Não sei como seria trabalhar um dia inteiro com ele ao pé de mim a fazer perguntas e solicitar atenção. Engoli em seco quando pensei que teria que contar ao marido que prometi um lego caro ao rapaz. Sim porque se prometi vou comprar se há coisa que eu honro são as minhas promessas. Acho que é uma forma de eles perceberem que quando damos a nossa palavra temos que a cumprir.

Voltei à porta da escola às dezoito horas para os buscar. Esperei, esperei e esperei. Chegaram já perto das dezanove horas. Primeiro ouvimos as buzinas dos autocarros, depois vimos a loucura que lá vinha dentro. Os miúdos sem camisolas vestidas, camisolas estas que voavam e eram agitadas no ar ao som da musica alta. Meninas com saias de palha, rapazes mascarados de piratas, pequenos transformados em golfinhos. Pinturas faciais, chapéus ridículos e penteados estranhos.

Saíram do autocarro a cantar com sorrisos nos lábios. Apanhei os meus dois rapazes e viemos embora. Pelo caminho quis saber se tinham gostado. O Guilherme disse que sim, claro, enquanto o Leonardo disse que tinha sido um pouco fixe. Aproveitei o facto de ele estar de bom humor e disse-lhe:

- Sabes Leonardo estou muito orgulhosa de teres ido e te teres divertido na festa. Estou tão contente que era capaz de te dar um gelado em troca do Lego.

- Está bem! Posso escolher o que quiser?

- Claro que sim!

Acabamos por parar no café ao pé de casa e eles escolheram um gelado para cada um. Ficaram todos contentes mas, garanto-vos que, não ficaram mais do que eu que me safei a comprar-lhe o lego caro.

Alguém consegue dormir com este calor?

Adormeci meia horinha no sofá. Acordei suada, olhei para o lado e vi o marido ao meu lado, também a dormir sentado. Acordei-o e mandei-o para a cama. Segui-o, deitei-me e esperei cair no sono. Passou dez minutos, quinze, vinte e o sono nada de voltar. Vendo bem a coisa até tenho sono o problema é que este calor insuportável não me deixa dormir. Se me deito no sofá aqueço, se me deito no cama o colchão parece que fervilha debaixo de mim.

Abri a janela mas não corre uma aragem. Não me atrevo a ligar o ar condicionado com medo que os pequenos acordem com o barulho da maquina exterior. Resolvi então levantar-me e vir escrever um pouco. Aqui estou eu quase à uma da manhã a escrever, claro que vou agendar o post para uma hora decente.

Vou continuando por aqui a escrever e a ler um pouco à espera que a noite avance e traga uma temperatura mais fresquinha. Já sei que amanhã vou estar ferradinha quando o despertados tocar às seis e pouco da manhã. Vou acordar com sono, olheiras descomunais e cara de poucos amigos. Vou resmungar comigo mesma e prometer que me vou deitar mais cedo mas a verdade é que a noite vêm e é sempre a mesma coisa.

Será que sou só eu que não consigo dormir? 

Começo a achar que o problema é meu porque cá em casa tudo dorme menos eu e os mais velhos estão tapados com o lençol até ao pescoço. Não sei se sou eu que não sou normal ou ele.

Finalmente o blog!

Com esta história de estar de férias esqueci-me completamente de vos avisar que já arrancamos com o blog.

Não se esqueçam de passar por lá para espreitar. Podem ajudar-nos deixando alguma questões que gostassem de ver respondidas.

Esperamos conseguir mostrar o que sente uma anoréctica. Como é viver com a doença, como é a luta para a recuperação e principalmente como é viver depois da anorexia nervosa. queremos desmistificar um pouco o que se pensa sobre a anorexia e quem sabe fazer a diferença na vida de alguém.

A idade do gelo: O Big Bang

No sábado tirei um pouco da minha manhã para passar tempo de qualidade com o Leonardo. Ele estava mortinho para ver o novo filme do Idade do gelo pelo que concorri para bilhetes. Felizmente fomos contemplados com um bilhete duplo e lá fomos nós para o cinema. O filme está muito giro. Mantém o espírito hilariante com o qual já estamos habituados. O esquilo continua a fazer as delicias de todos. A sala ficava em silêncio absoluto cada vez que este aparecia no ecrã. Os miúdos arregalavam os olhos à espera do que ia acontecer e, claro que, a cena acabava sempre em risota.

Neste filme descobrimos que o esquilo é o grande culpado pelo Big Bang. Este coloca a terra em perigo e os nossos amigos a lutar contra a extinção. A esta luta junta-se Buck, a doninha icónica, que conhecemos no terceiro filme. Este elenco faz com que esta seja uma excelente aventura cheia de momentos hilariantes.

Deixo-vos aqui um pequeno vislumbre.

 

Daqui não saio, daqui ninguém me tira

Percebi que o Salvador é igualzinho a mim na adoração pela água. Quando era pequena era capaz de entrar no mar às sete da manhã e só sair ao meio dia. O meu Salvador é igualzinho. Os irmãos davam-se por vencidos e saiam da água mas ele nem pensar. Víamos o queixinho a tremer e tentávamos tira-lo da água mas sem sucesso. Começava logo a chorar e a dizer que queria a água. Acabávamos por o deixar ficar sozinho a brincar até se fartar. Escusado será dizer que no fim saía gelado, enrugado e a chorar na mesma.

2016-07-17 07.55.57.jpg

 

2016-07-17 07.56.15.jpg