Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quatro Reizinhos

Uma mãe obsessiva, um pai muito stressado e 4 filhotes. O mais velho hiperativo, o segundo com um feitio muito particular e dois bebes gemeos. Tanta cabeça debaixo do mesmo tecto não pode dar coisa boa.

Finalmente o blog!

Com esta história de estar de férias esqueci-me completamente de vos avisar que já arrancamos com o blog.

Não se esqueçam de passar por lá para espreitar. Podem ajudar-nos deixando alguma questões que gostassem de ver respondidas.

Esperamos conseguir mostrar o que sente uma anoréctica. Como é viver com a doença, como é a luta para a recuperação e principalmente como é viver depois da anorexia nervosa. queremos desmistificar um pouco o que se pensa sobre a anorexia e quem sabe fazer a diferença na vida de alguém.

A idade do gelo: O Big Bang

No sábado tirei um pouco da minha manhã para passar tempo de qualidade com o Leonardo. Ele estava mortinho para ver o novo filme do Idade do gelo pelo que concorri para bilhetes. Felizmente fomos contemplados com um bilhete duplo e lá fomos nós para o cinema. O filme está muito giro. Mantém o espírito hilariante com o qual já estamos habituados. O esquilo continua a fazer as delicias de todos. A sala ficava em silêncio absoluto cada vez que este aparecia no ecrã. Os miúdos arregalavam os olhos à espera do que ia acontecer e, claro que, a cena acabava sempre em risota.

Neste filme descobrimos que o esquilo é o grande culpado pelo Big Bang. Este coloca a terra em perigo e os nossos amigos a lutar contra a extinção. A esta luta junta-se Buck, a doninha icónica, que conhecemos no terceiro filme. Este elenco faz com que esta seja uma excelente aventura cheia de momentos hilariantes.

Deixo-vos aqui um pequeno vislumbre.

 

Daqui não saio, daqui ninguém me tira

Percebi que o Salvador é igualzinho a mim na adoração pela água. Quando era pequena era capaz de entrar no mar às sete da manhã e só sair ao meio dia. O meu Salvador é igualzinho. Os irmãos davam-se por vencidos e saiam da água mas ele nem pensar. Víamos o queixinho a tremer e tentávamos tira-lo da água mas sem sucesso. Começava logo a chorar e a dizer que queria a água. Acabávamos por o deixar ficar sozinho a brincar até se fartar. Escusado será dizer que no fim saía gelado, enrugado e a chorar na mesma.

2016-07-17 07.55.57.jpg

 

2016-07-17 07.56.15.jpg