Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quatro Reizinhos

Uma mãe obsessiva, um pai muito stressado e 4 filhotes. O mais velho hiperativo, o segundo com um feitio muito particular e dois bebes gemeos. Tanta cabeça debaixo do mesmo tecto não pode dar coisa boa.

Mais um fim de semana

Este fim-de-semana foi muito produtivo. Não sei como é que nuns conseguimos fazer tanta coisa e noutros não temos tempo para nada.

Fomos passear para Belém, estacionamos ao pé do museu do combatente e fizemos um pequeno percurso a pé.

 

20150822_151415.jpg

 

Passamos a Torre de Belém, o Guilherme queria ir visitar mas estava uma fila enorme e nós não conseguíamos entrar com o carrinho dos gémeos. Ficou prometido que iríamos noutro dia só os crescidos.

Passamos pelo Padrão dos Descobrimentos e resolvemos atravessar para os Jardins. Perguntei a um agente da PSP, daqueles que andam por lá a patrulhar de bicicleta, onde poderíamos atravessar com o carrinho. Não queria acreditar quando me disse que ou descia as escadas da passagem subterrânea ou subia as escadas da passagem superior. Tantos carrinhos que por ali circulavam, atrevo-me a dizer que por cada três pessoas uma tinha um carrinho, quase tudo estrangeiros e não temos uma passagem de jeito? Ainda compreendo que não haja dinheiro para certas obras mas não haverá dinheiro para um acesso para carrinhos e cadeiras de rodas numa das zonas mais emblemáticas da nossa capital? Enfim não vale a pena aprofundar este tema, todos os dias luto com estas dificuldades sempre que saiu a rua com o carrinho deles. Se com um é difícil com dois nem se fala, podia escrever um livro só sobre o tema.

Voltando onde estávamos, lá agarramos cada um num dos lados do carrinho e descemos a passagem subterrânea e claro voltamos a subir do outro lado. É sempre bom verificar que algumas pessoas nem têm a amabilidade de se desviar, vamos nós carregados a subir as escadas e ainda temos que evitar as pessoas.

Demos uma volta pelos jardins, os miúdos comeram um gelado e os graúdos ponderaram ir comer um pastelinho de Belém. Desistimos da ideia mal vimos uma fila que dava a volta ao quarteirão.

 

20150822_155319.jpg

 

À ida para casa passámos pela Livraria Barata onde compramos os livros para a escola. Aqui encontrei também o tão famoso livro do Marsupilami para o Guilherme, têm a colecção completa. Gosto muito de vir a esta Livraria porque encontro sempre o que preciso e como tem um horário super alargado nunca damos com a loja fechada.

No domingo saímos para comprar algum do material escolar, tínhamos um vale de desconto coisa de se aproveitar. Compramos coisas genéricas como lápis, borrachas, cadernos, afias. Fica em falta os lápis de cor, canetas de filtro, lápis de cera porque as professoras podem ter preferência por alguma marca. Fica também em falta aquelas coisas extra que se lembram de pedir e que nunca são as mesmas, um ano é barro, outro é plasticina, outro papel musgami....

Depois disto tudo, o marido ainda foi ao Ikea e passou o resto da tarde a aplicar trincos para que os pestinhas parem de me mexer em tudo. Isto vai deixar de acontecer.

20150823_125600.jpg

 

-Mãe, quero esta mochila para a escola!

-Mãe, quero esta mochila para a escola! - diz-me o Leonardo

-Queres? Então e quem é que vai pagar?

-Tu!

Resolvi verificar qual era a mochila a que se referia.

-Leonardo não é melhor comprar a com rodinhas? Assim não tens que andar com peso às costas.

-Mas custa mais dinheiro.

-Não faz mal amor.-Respondi a pensar que afinal não estamos a falhar, completamente, no nosso papel de pais

 

Contente com a minha resposta tratou de assinalar devidamente a mochila para eu a poder comprar.

 

20150824_090030.jpg

 Fiquei em pânico quando cheguei há loja e não havia a dita cuja. Perguntei se iam receber mais mas disseram-me que em principio não.

Por sorte o marido há tarde passou noutra loja e comprou a mochila. Yes, ao menos não vamos ter fita por causa da mochila!

Como estava enganada....

 -Mãe posso leva-la já amanhã?

-Claro que não. Ainda se estraga antes da escola começar.

-Mas assim ia aprendendo a andar com ela. Preciso experimenta-la.

Digam lá que não é rato! Claro que ficou amuado porque dissemos que não. Porque é que tudo é tão difícil com este miúdo?