Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quatro Reizinhos

Uma mãe obsessiva, um pai muito stressado e 4 filhotes. O mais velho hiperativo, o segundo com um feitio muito particular e dois bebes gemeos. Tanta cabeça debaixo do mesmo tecto não pode dar coisa boa.

Coisas que só nos acontecem a nós nº 14

A médica de família receitou um medicamento para o estômago à minha mãe. Disse-lhe que era um medicamento novo, mais barato e que ela devia experimentar a ver se se dava bem.

Fomos à farmácia aviar os medicamentos e no fim a conta era altíssima. A minha mãe vem o caminho todo para casa a resmungar porque o medicamento que a médica tinha dito que era barato tinha custado 3X mais que o outro.

Chegamos a casa e a minha mãe resolve ler o folheto do remédio, coisa que por acaso também tenho o hábito de fazer. Começa a ler e percebe que o farmacêutico lhe deu um anti-depressivo em vez do medicamento certo.

Agora imaginem que ela não tinha lido, bem tomava a caixa toda e continuava com dores de estômago

Coisas que só nos acontecem a nós nº 13

Fui fazer um rx, que a médica me tinha prescrito, na Clínica de Santo António.

Passado um pouco sou chamada  por uma Sra.. Chegada ao sitio do rx a Sra. diz-me:

- Por favor, entre naquele gabinete, dispa-se da cintura para cima e vista uma bata.

- Despir da cintura para cima? - Pergunto eu confusa - Mas eu venho fazer um rx à tíbia.

- Não é ao tórax?

- Não é a tíbia.

-Então dispa-se da cintura para baixo e vista a bata.

Ainda bem que eu sabia que exame ia fazer.

A educação é muito bonita

Tenho uns familiares que gostam muito de ensinar asneiras aos pequenos da família. Claro que os meus filhos não foram excepção, quando começaram a  falar era ver os familiares a incentiva-los. Curiosamente nenhum dos dois mais velhos ligaram minimamente ao que lhes tentavam ensinar. Do Guilherme pensei que por vergonha mas quando foi do Leonardo, que não tem vergonha nenhuma, apercebi-me que não era esse o motivo.Presumo que seja porque nunca ouviram esse tipo de linguagem em casa.

No outro dia o Guilherme veio contar-me uma coisa.

- Mãe, tenho um menino na minha sala que é muito mal comportado! Ele responde à professora, bate nos colegas e diz palavras feias. Costuma dizer....Posso dizer mãe?

- O que é que tu achas Guilherme?

- Mas era só para saberes a palavra que ele diz.

- Eu não preciso de saber a palavra, basta-me saber que é uma asneira.

O assunto morreu por ali. Não me consigo esquecer que ele esteve mesmo com a palavras na ponta da língua mas teve o bom senso de perguntar se a podia dizer.

Outra que nos aconteceu, eu estava a jogar um jogo no ipad onde temos que formar palavras, um género de scrabble. O Guilherme gosta de me ajudar e eu deixo porque acho que o faz puxar pela cabeça. Às tantas eu não estava a ver palavra nenhuma e o Gui diz-me:

- Mãe, tens letras para fazer uma asneira.

- Ai tenho! Então qual é a palavra? - pergunto eu a testar

- Mãe, escolheu o P, o U, o T e depois o A.

 Espero que continue assim, tanto ele como o Leonardo.

Vamos lá ver o que nos espera com os gémeos porque são muito mais descarados.