Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quatro Reizinhos

Uma mãe obsessiva, um pai muito stressado e 4 filhotes. O mais velho hiperativo, o segundo com um feitio muito particular e dois bebes gemeos. Tanta cabeça debaixo do mesmo tecto não pode dar coisa boa.

Este miúdo dá-nos cabo do juízo

Existem crianças mais difíceis que outras o meu Leonardo é uma dessas crianças muito difíceis. Tem um feitio.... Ainda na quinta-feira veio de caso dos avós com uma nota de 5 euros e algumas moedas que supostamente era para ele e para o mais velho. Chegaram à casa e foram por o dinheiro no mealheiro, o Leonardo queria colocar a nota mas o Guilherme resolveu colocá-la. Segundos depois o Guilherme sai a correr do quarto perseguido pelo irmão. Já para não haver chatices chamei o Leonardo e dei-lhe outra nota de 5 euros para por no mealheiro. Pegou a nota é disse-me: está bem mas primeiro vou dar uma tareia no Guilherme.... No outro dia na escola o Leonardo chegou do refeitório e foi-se sentar no banco dos castigos. Uma das auxiliares estranhou e foi perguntar à outra se o tinha colocado de castigo. A outra disse que não mas de repente lembrou-se que na véspera tinha dito que se ele não comece a sopa ia ficar de castigo. Ora o meu filho, como não há quem o faça comer sopa, preferiu o castigo. Na quarta-feira foi ao otorrino, tem um dos tubinhos solto dentro do ouvido. Já é a terceira vez que lá vamos para o doutor tentar tirar o tubo mas claro que não consegue. O miúdo grita até parece que o estão a matar. Para tomar remédios é um filme, qualquer dia os vizinhos chamam a polícia a pensar que eu o estou a espancar pois a gritaria é tal.

Agora anda com um caderno pela casa no qual assenta as nossas tarefas e o nosso comportamento. A mãe tem que fazer o almoço, o pai tem que deixar de ser mau, o Guilherme tem de fazer os trabalhos e se não fizerem isto ficam sem comer e sem ver televisão quinze dias. Digam-me o que ei-de fazer a este miúdo.

Tampas a prova de pais

Não sei se sou a única pessoa que tem um problema com as ditas tampas a prova de crianças. Há dias em que corre tudo muito bem e consigo abrir a tampa logo à primeira mas há outros em que não as consigo abrir de forma nenhuma. Tento, tento, viro o frasco faço o pino e o frasco continua por abrir. Ainda no outro dia tive de dar ben-u-ron ao Salvador à um da manhã e tive de ir acordar o marido para abrir o frasco do xarope. Parece mentira mas acho que as tampas são a prova de Catarina. Existe também um medicamento com quem tenho uma relação complicada. Penso que todos os pais conhecem o medicamento vigantol, põe norma todos os bebés o tomam. Ora eu deito o bebé viro o frasco e fico à espera que a gota caia mas como esta demora uma eternidade quando cai o bebé já fechou a boca, ou virou a cabeça. Por norma acerto na orelha, na bochecha, no queixo, enfim em todo o lado menos na boca. Gasto 4 ou 5 gotas até conseguir ser bem sucedida, isto vezes dois. Acho a forma de administrar deveria ser outra, por exemplo, ter um conta gotas. Talvez estes problemas sejam exclusivos da minha pessoa ou talvez não.

Mãe já posso trabalhar no continente

No outro dia sai do trabalho fui buscar a mãe, os gémeos e o Leonardo e fomos todos ao supermercado. Eu empurrava o carrinho de comprar a minha mãe levava o carro dos gémeos e o Leonardo ia-se chorando pelos corredores pois eu só estava a comprar coisas seca. Finalmente enchi o carro e dirigiu-me para uma caixa exclusiva para não estar à espera, veio então um funcionário muito simpático atender-nos. Disse ao Leonardo para dar a volta e ir para ao pé dele, então começou a explicar-lhe como funcionavam as coisas. Disse-lhe que primeiro tinha que pedir o cartão de cliente e passa-lo no visor, mostrou-lhe como se registavam os artigos e deixou-o registar as compras todas. Demoramos uns bons quinze ou vinte minutos mas divertimos-nos a ver a alegria do menino. No fim agradecemos e lá viemos embora claro que o Leonardo vinha em êxtase só me perguntava se já podia trabalhar no Continente. Apanhamos o irmão na escola e a primeira coisa que fez foi contar ao Guilherme que quando fosse grande ia trabalhar a registar compras. As vezes um pequeno gesto faz maravilhas numa criança e este foi um deles, acredito que será um daqueles momentos que fica nas memórias. Andamos sempre a correr e a correr que nos esquecemos destes pequenos gestos que podem fazer milagres na vida dos outros.

Pág. 3/3