Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quatro Reizinhos

Uma mãe obsessiva, um pai muito stressado e 4 filhotes. O mais velho hiperativo, o segundo com um feitio muito particular e dois bebes gemeos. Tanta cabeça debaixo do mesmo tecto não pode dar coisa boa.

Agora tenho medo de ir ao quintal à noite

Tudo começou um dia destes quando nos tocaram à campainha perto de meia noite. Acendemos as luzes de fora da casa e fomos à porta. Não vimos ninguém à frente pelo que resolvemos espreitar no quintal. Olhamos para fora e nada. Percebemos que foi uma brincadeira e preparamos-nos para voltar para a cama. Eu reparei numa coisa escura que estava no mosaico do quintal.

- Aquilo é um sapo?- questionei

- Não sei.

O marido saiu, aproximou-se e o animal não se mexeu. O marido deu-lhe um encosto com o pé e ele lá deu um pequeno salto. Lembrei-me logo que, nos primeiros dias quando estávamos a mexer na terra debaixo das árvores, o marido tinha dito que tinha visto um sapo a saltar. Na altura olhamos e não vimos nada pelo que acabamos por presumir que tinha sido uma ilusão. Percebemos nessa altura que afinal tínhamos um sapo no quintal e que não deve conseguir sair devido ao tamanho dos muros. Decidimos logo que seria mais um inquilino afinal estamos numa zona em que existem todos os tipos de animais.

A questão é que agora tenho medo de ir ao quintal depois de escurecer. Não, não tenho medo de sapos mas tenho medo de não o ver e o esborrachar.

Gosto de...

PE_20170811_081337.png

Gosto de levantar-me cedo, estender a minha roupa e sentar-me um pouco no quintal. Gosto de sentir a brisa fresca do amanhecer. De ver a luz do sol a começar a aparecer. Gosto de sentir a calma e tranquilidade bem como o alvoroço. Gosto de sentir a tranquilidade resultante da falta de ruído humano. Adoro ouvir o alvoroço da natureza ao amanhecer.

Oiço o galo a dar os bons dias à vizinhança, do outro lado o burro zurra como que a dizer que já acordou. Os pássaros estão a despertar, oiço um chilrear imenso à medida em que abandonam as árvores onde passaram a noite.Com sorte oiço ainda o grasnar de patos ao longe, deixo-me estar aqui a saborear este ambiente que me rodeia até os rapazes acordarem e começam o rebuliço do nosso dia. Este quintal tornou-se o meu pequeno refugio, uma espécie de espaço Zen.

Temos inquilinos

No sábado o marido comentou que estava um pássaro no pinheiro que não parava de piar. Eu fui espreitar na janela e ouvi não um mas vários piares. Procurei sem sucesso ver de onde vinha o barulho. O pinheiro têm uma copa tão frondosa que não deixa ver o que se passa no alto. O certo é que passei o resto do sábado atenta e o piar volta e meia voltava. Comecei a suspeitar que seria um ninho.

No domingo tive a confirmação. Não vi o ninho porque deve estar muito bem escondido na copa da árvore mas vi os pais que não largam a árvore. Os pequenos pássaros piam imenso quando os pais chegam exigindo comer. Depois os pais partem em busca de mais alimento e faz-se silêncio no ninho. 

Estou tão contente com os nossos novos inquilinos, só me apetece montar guarda ao pinheiro para garantir que nada de mal lhes acontece.

Bom versus mau

Uma das coisas que mais gosto desta zona para onde moramos é a tranquilidade. É um sossego imenso. Um sossego da parte dos ruídos produzidos pelas pessoas porque os dos animais estão bem pressentes. Todos os dias adormeço com os grilos a cantar e acordo com o chilrear do pássaros. À noite consigo visualizar um céu perfeitamente estrelado já me tinha esquecido da quantidade de pontos brilhantes que conseguimos ver quando a luz das cidades não os ofusca.

No entanto nem tudo é perfeito, temos um problema com insectos. Se não tivermos cuidado temos moscas por todo o lado. Se deixamos uma migalha no chão depressa temos um carreiro de formigas que entram pela porta aberta do quintal até ao alimento. O pior, o pior de tudo são as melgas. Acho que ainda não ouve uma noite em que não tenha ouvido o zumbido de uma melga. Se estamos na sala vemos uma à frente da televisão. Se vou adormecer os pequenos deparo-me com uma no quarto. Depois encontro outra no meu. Passamos a vida a caça-las mas mesmo assim escapa sempre alguma, os rapazes andam todos mordidos. É assim não há nada perfeito na vida. Já agora se tiverem um remédio milagroso para acabar com as melgas não deixem de partilhar, por favor.

Bate uma saudade!

Os meus pais estão de saída, vão passar um fim-de-semana na terra do pai. Eu, invejosa como sou, fiquei triste por não poder ir. Poder até podia mas não me atrevo a carregar o carro com malas, malinhas e quatro crianças, fazer 300 Km de viagem tudo para basicamente lá passar um sábado. Sim por que na sexta já se chega tarde temos tempo para fazer camas e deitar. Aproveitamos o sábado e no Domingo é arrumar, almoçar e nova viagem para baixo, até porque ninguém quer chegar muito tarde pois na segunda já é dia de trabalho.

Quando não tínhamos crianças passavamos lá todos os fins-de-semanas bastava uma muda de roupa e lá íamos nós. Agora é tudo mais complicado, temos que levar uma muda de roupa para os meninos, levar mais roupa pois podem sujar-se, levar mais roupa porque pode estar frio e quando damos conta temos quase o guarda roupa todo deles. Nem quero imaginar quando formos de férias daqui por duas semanas, sim já só faltam duas semanas!!!!

Mas voltando ao assunto principal, apercebi-me que já está a fazer dois anos que fui pela ultima vez à quela aldeia perdida onde nasceu o meu pai. Que saudades que tenho de adormecer com o som da água a correr na ribeira e de acordar com os pássaros a cantar. Saudades de respirar aquele ar puro com cheirinho a pinheiro e eucalipto. Mas sobretudo morro de saudades de um belo banho de rio.

Deste ano não passa, ainda não sei bem como vamos fazer com os gémeos, mas já avisei o marido que em Julho lá temos que ir uns dias.

Deixo-vos umas fotos para que percebam o motivo das minhas saudades. Se bem que as fotos não fazem jus à realidade.

10392582_10204045262587482_2161014765065995638_n[1

10538062_10204045272027718_5190909826717857941_n[1

10547482_10204045259387402_8643497952206711722_n[1

10547542_10204045269187647_7581839729491929810_n[1

10590442_10204045260107420_4413616562588853916_n[1

10599411_10204045262947491_1451277919322642443_n[1

10599398_10204045267787612_5205859674687921068_n[1