Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quatro Reizinhos

Uma mãe obsessiva, um pai muito stressado e 4 filhotes. O mais velho hiperativo, o segundo com um feitio muito particular e dois bebes gemeos. Tanta cabeça debaixo do mesmo tecto não pode dar coisa boa.

Mãe de meninos sofre

Mãe de meninos sofre muito. Conto-vos o que se passa todos os dias no meu carro. 

Chego à creche, saio com os pequenos e deixo os mais velhos dois ou três minutos no carro enquanto vou entregar os gémeos. Volto ao carro, abro a porta, sento-me no loca do condutor, fecho a porta e assim que o faço sou atingida por um  cheiro horrível

- Leonardo!!!!!!!!!!!!!

Os dois desatam-se a rir que nem perdidos.

- Porra Leonardo não te disse já que isso não se faz?

- Mas eu não aguentei.

- Como é que é possível que tenhas sempre vontade de soltar bufas quando estas fechado no carro.

- Cheira tão mal!- confirma o Guilherme

Só me resta abrir a janela do carro. Todos os dias lá vou eu de janela aberta, esteja frio ou calor.É o que dá ter um rapaz com problemas de gases.

Eu e o despertador andamos desencontrados

Na segunda feira pode dormir mais um pouco devido aos gémeos estarem em casa dos avós. O despertador tocou meia hora mais tarde e soube-me lindamente.

Os problemas começaram na manha seguinte. Esqueci-me de repor a hora habitual no telemóvel pelo que acordei tarde e andei igual ao Flash para sair de casa a horas.

Seria de esperar que a coisa corresse melhor na quarta mas a história repetiu-se. Resmunguei e barafustei comigo própria até mais não mas continuei sem acertar o alarme para a hora certa pelo que hoje acordei tarde outra vez.

Quem é que se esquece de acertar o telemóvel três dias seguidos? Será burrice, cansaço ou simples distracção? Já pensei que é o meu subconsciente que está a gostar de dormir mais um pouco e que por isso não me deixa acertar o despertador. 

Sugestões para o dia dos namorados

Não, não vos vou deixar ideias de prendas para irem comprar à ultima da hora. Até porque muitas são as sugestões de mil e um artigos para o dia dos namorados, que podem encontrar online. Sugestões giras de facto mas eu não consigo deixar de pensar que este dia se transformou em mais um sinónimo de consumismo.

Para mim o dia dos namorados è um dia no qual devemos festejar o amor e para isso basta que estejamos juntos dos que amamos.Não há prenda melhor que uma palavra carinhosa, uma troca de olhares cúmplice, um sorriso partilhado. Um simples abraço que parece tão desvalorizado mas que faz milagres.

Prefiro mil vezes uma flor dada em qualquer outro dia do ano, só porque sim. Prefiro porque sei que veio de forma espontânea e não como uma quase obrigação. Porque no fundo foi nisso que se transformou este dia, numa espécie de obrigação. Obrigatório comer fora e trocar prendas. É assim que se celebra o amor?

Por aqui esquecemos as obrigações. Não há troca de prendas nem jantares fora. Existe sim, um jantar em família, como tantos outros, e que melhor forma de celebrar-mos o nosso amor que partilhar este dia com os frutos da nossa relação. Os jantares românticos, as escadinhas, os tempos a sós vão sendo gozados ao longo do ano, quando temos oportunidade, porque o amor deve ser vivido e celebrado o ano todo.

Eu gosto é do Verão

Estou farta dos dias pequenos e escuros. Estou farta do frio e da chuva. Estou farta do monte de roupa que vestimos diariamente. Principalmente estou farta das doenças.

Este frio trás doenças atrás de doenças e eu estou cansada delas. Todas as semanas aparece uma diferente, uma otite, uma bronquiolite, uma amigdalite. Depois existem aquelas que nem tem direito a nome, são chamadas de um vírus e temos que esperar que passe. Como mãe custa-me horrores. Ver os nossos pequenos doentes e não poder fazer nada sem ser dar colo enquanto espero que passe. Custa-me o facto de chorarem a cada dez minutos quando sei que são crianças tão risonhas. Custa-me as noites em claro não tanto por mim mas por eles, ver que têm sono, que querem dormir mas não conseguem.

O pior, o pior de tudo é quando estão os dois doentes ao mesmo tempo como foi o caso destes últimos dias. Na doença não querem mais ninguém que a mãe e é tão difícil acudir dois. Eu tento sentar-me no sofá e sentar um em cada perna mas eles não querem. Estão doentes, carentes pelo que querem um colo exclusivo deles. Empurram-se mutuamente para ver se um desiste para que o outro fique com o prémio. O pai tenta ajudar, dá abraços e colo a um mas ele fica no colo do pai a chorar pela mãe. É o que mais me custa nisto de ser mãe de dois.

É por isso que peço que a chuva pare. Que o frio se vá e leve estas doenças com ele. Que venham os dias bons e quentes para podermos andar de bicicleta e jogar à bola. Dias quentes para que possamos brincar na rua sem medo das constipações. Cada vez gosto mais do Verão.

Mas a quem é que saem assim?

É uma pergunta que nos fazemos muitas vezes perante certos comportamentos dos nosso filhos. Se for um comportamento bom é certo que sai ao pai e à mãe. É bom a matemática, sai ao pai. É bom no raciocínio mental puxa à mãe. Já se for um mau habito, não sai a ninguém. Não sai ao pai, não sai à mãe, deve sair a ele próprio.

Mas e quando percebemos que afinal o que criticamos foi herdado de nós?

O marido implica que o Leonardo fala muito alto. Sim é verdade que ele fala muito alto mas o meu marido também fala e o meu sogro então parece que está sempre a gritar. Parece-me a mim que afinal herdou de alguém.

Já o Guilherme é um cabeça no ar. Sabem a quem é que ele sai? Pois eu também não.  Claro que tinha que sair à mãezinha. E sai mais a mim do que eu alguma vez pensei. No outro dia estava a falar com a professora que me disse que ele parecia que estava sempre a sonhar acordado na aula, parece que não presta atenção a nada mas afinal está a apanhar tudo na mesma. Estava a ouvir a professora e a pensar que eu era igualzinha. Lembro-me de passar horas a imaginar histórias na minha cabeça, quando dava conta já tinha acabado a aula e eu nem tinha estado lá. No entanto, não me perguntem como, apanhava a matéria toda na mesma. Outra coisa que a professora se queixou é que o rapaz deixa de fazer certas coisas na sala só para ler o seu livro e eu mais uma vez revi-me. Tantos livros que foram lidos à socapa nas aulas. Tanta matéria que deveria ter sido estudada mas que era posta de lado porque o chamamento do livro era mais forte.

Outra coisa que me queixo é do facto de se esquecerem de tudo. Esquecem-se dos casacos, dos gorros, das lancheiras. Depois penso um pouco e recordo que deixei de usar chapéus de chuva porque os perdia todos. Lembro-me de perder um casaco. Lembro-me do pânico que senti quando um dia não conseguia encontrar a mochila. Mais tarde percebi que não podia levar os livros e cadernos nas mãos como faziam as minhas colegas porque saia de casa com eles mas dificilmente regressava com todos.

Percebo agora que afinal são mais parecidos connosco do que pensamos. Basta colocarmos-nos nos sapatos deles e logo vamos relembrar as nossas aventuras de crianças. No fim vão perceber que afinal os nossos filhos são muito melhor do que nós fomos.

Motivo da engorda

Por norma as pessoas têm tendência a culpar o casamento pela engorda. Sim é um facto que passamos a ter uma vida mais calma o que pode levar a um aumento de peso. Depois existe um aumento de interesse na cozinha. Um porque passa a ter para quem cozinhar e outro porque têm que apreciar o esforço do companheiro.

No entanto acho que o casamento não é o principal culpado da engorda mas sim os filhos. Não no inicio, porque nessa fase não nos deixam sossegar. Contudo por volta dos dois, três anos começam a estar mais atentos à gastronomia. Começam a prestar mais atenção ao comer e aos que os outros estão a comer. Começam também a ser aventureiros e querem experimentar tudo. O problema é que muitas vezes têm mais olhos que barriga, ou então pedem algo que depois percebem que não gostam. E o que fazem a maior parte dos pais? Comem o que os filhos não querem, ou não gostam, porque é feio desperdiçar comida. Muitas vezes já estamos satisfeitos mas temos que fazer o sacrifício porque não queremos deitar comer fora.

Cá em casa temos esse problema vezes quatro pelo que temos que deferir uma estratégia. Uma das hipóteses é ir contra o nosso principio de não estragar comer. Outra hipótese é passar a comer menos para deixar espaço para as sobras.

As mulheres também são capazes

O trabalho anda apertado e eu ajudo como posso. Não sou pessoa de me negar a nada e mesmo com a minha constituição pequena tento ao máximo ajudar. Ontem não foi excepção e perante a falta de mão de obra resolvi pegar eu no empilhador. Reparei logo que alguns homens estranharam o facto. Um motorista que assistia à descarga do seu carro até veio mais para o pé para acompanhar a minha tentativa de manobrar uma carga que passa à justa pelo cais.

Fico sempre com a sensação que estão à espera que por ser mulher faça asneira. Eu fico imensamente satisfeita de lhes mostrar que as mulheres também conseguem tanto que passado uns minutos deixaram de me observar. Temos que perceber que vivemos numa nova era, temos que nos adaptar a tudo. Cada vez mais vemos mulheres com profissões que era exclusivas dos homens e aos poucos vamos provando que somos capazes.

10 dicas para ajudar mães e pais na hora de lavar os dentes à pequenada!

Vá-se lá entender porquê, são raras as crianças que gostam de lavar os dentes. Há as que fingem que estão a lavar, há as que fogem e se escondem debaixo da cama e há as que choram durante todo o processo, como se o mundo estivesse à beira do fim! Obviamente, também há crianças que gostam de lavar os dentes… se bem que, talvez gostem mais do facto de estarem a mexer na água do que de estarem efectivamente a lavar os dentes… Just saying...

 

E como, gostando ou não, os dentinhos têm de ser bem escovados para evitar cáries e outros dói-dóis, aqui ficam algumas dicas que podem ajudar as mamãs e os papás a convencer os pequenos.

 

  1. Use uma escova macia para não magoar as gengivas e adaptada à faixa etária, e escove suavemente. Se o processo os magoar, ainda vai ser mais complicado de os convencer na próxima vez. Para bebés há escovas próprias, com uma área bem mais pequenina para escovar os dentinhos.
  2. Use uma pequena quantidade de pasta de dentes. Se reparar, a maioria das escovas de dentes de crianças e bebés têm alguns dos pêlos com uma cor diferente, o que geralmente corresponde ao tamanho da ‘bolinha’ de pasta de dentes que é necessário usar.  
  3. Compre uma escova com bonequinhos, ou um copo de plástico com a personagem referida do seu filho e tente criar um momento divertido à volta hora de lavar os dentes.
  4. Deixe-o experimentar a segurar na escova e a fazer tudo sozinho. Não irá ficar bem lavado ao início, mas vai fazer a criança interessar-se pelo processo e querer aprender. Tente, por exemplo, deixá-lo fazer sozinho de manhã, ou depois de uma refeição, e diga que à noite é sempre a vez da mãe ou do pai. Assim, vai garantir que os dentinhos são bem esfregados antes da hora de dormir.
  5. Faça trocas. A mãe lava os teus dentes e tu lavas os da mãe. Vai ver que com muita risada e brincadeira, vai conseguir lavar bem os dentes do pequeno.
  6. Crie uma rotina desde bebé. Lave os dentes de manhã, à noite e depois das refeições. Talvez não valha a pena tantas vezes logo no início. Mas se o processo estiver a correr bem, vá aumentando a frequência e explicando que assim está a proteger os dentinhos. Se iniciar o processo desde a altura dos primeiros dentes, vai ser já tão normal quando forem maiorzinhos e se aperceberem do que estão a fazer, que nem irão achar estranho. Claro que haverá fases em que vai ouvir ‘eu não quero lavar mais os dente’, mas é uma fase. O hábito está criado e apenas terá de vigiar para certificar que os dentinhos estão a ser bem lavados.
  7. Vá com o seu filho ao dentista, esclareça as dúvidas que tiver e peça ao dentista para observar os dentinhos do pequeno. Convém que a criança se sinta à vontade com as idas ao dentista e não associe a nada de doloroso. E o dentista vai certamente dar algumas ‘dicas’ ao pequeno para sobre como continuar o ótimo trabalho de lavar os dentes como um menino crescido :)
  8. Pode experimentar explicar o porquê de se ter de lavar os dentes com maior ou menor detalhe, consoante julgue que irá ajudar no processo. E pode mostrar imagens de meninos sem dois ou três dentes, e dizer que isso acontece a quem não lava bem os dentes. É uma meia-verdade , é certo. Mas depois, numa segunda fase, logo lhes explica que quando começam a ficar mais crescidos os dentes de bebé vão cair porque irão nascer os dentes de crescido :)
  9. Não deixe de supervisionar! Mesmo quando a criança já lavar os dentes sozinha, esteja presente pelo menos uma vez por dia e certifique-se de que os dentes estão a ser correctamente lavados. Há cada vez mais casos de cáries em crianças com idade inferior a 6 anos, é preciso ter atenção.
  10. Dê o exemplo. Se o seu filho não o vir a lavar os seus dentes, vai questionar porque tem de o fazer se a mãe e o pai também não o fazem. As crianças aprendem pelo exemplo. Lave os seus dentes com o seu filho na hora de o ir deitar, e acredite que fará toda a diferença!

 

Por último, vale a pena dizer que não se deve desesperar se o processo não correr como estava à espera. Cada criança tem o seu ritmo. E o importante é não desistir e ser consistente.